segunda-feira, 11 de agosto de 2008

ROMANOS, Questões Introdutórias (Subsídio para Lições Bíblicas)

I – A Cidade de Roma

Quatro cidades se destacavam na época do surgimento da Igreja: Roma, Atenas, Alexandria e Antioquia. Dentre elas, a capital do Império Romano tinha proeminência. Destacava-se nas áreas política, social, militar, comercial e religiosa.
As conquistas nas batalhas forneciam recursos para construção da cidade. Três pilares sustentavam a capital do Império: força militar, competência administrativa e rapidez nas comunicações. Seu território se caracterizava por muitas e boas estradas que a ligavam todas as partes do Império.

Devido a sua imensa riqueza e a suas estradas, muitas pessoas desejavam participar do seu modo de vida esbanjador. Estima-se que no início da era cristã sua população era em torno de um milhão e meio de pessoas, sendo mais da metade de escravos[1]. As pessoas que vinha dos mais remotos locais traziam consigo a influência cultural e religiosa.

Roma tinha como base a igualdade e a justiça. Seus exércitos protegiam as estradas. No primeiro século imperou a Pax Romana. Sob o controle de Roma, todo império gozou de uma paz quase que absoluta. A língua oficial era o latim, mas o idioma comumente falado em todo império era o grego.
O cristianismo inicial desfrutou dessas características facilitadoras para a propagação do Evangelho.[2]

II – A Igreja

Um dos questionamentos que perdura até nossos dias é quanto ao fundador da igreja estabelecida em Roma.

A igreja Católica defende que foi Pedro. Mas é pouco provável que tenha sido. Possivelmente também não foi o apostolo Paulo. Este não faz nenhuma menção nessa carta a Pedro ou ao seu ministério. Quando o autor elogia os cristãos dessa igreja (Rm 1.8) seria difícil não ter também aludido a influência de Pedro como fundador. Paulo também não cita alguma visita sua a essa cidade.

O início dessa igreja é mais provável com a fuga de cristãos que houve após a perseguição descrita em Atos 11.19. Como Paulo demonstra conhecer detalhes sobre esses cristãos, possivelmente eles sejam convertidos dele.

É comum aceitar entre os estudiosos que em sua maioria a igreja era formada de gentios. Comum também é o entendimento que Paulo escreveu essa carta quando estava em Corinto (Rm 16.1).[3]

Champlin destaca algumas características dessa igreja:
1 – Fé largamente proclamada (Rm 1.8);
2 – Obediência reconhecida (Rm 16.19);
3 – Maturidade (Rm 16.19).

III – A Mensagem de Romanos

O tema de Romanos é a JUSTIÇA DE DEUS. O versículo Rm 1.17 (“visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”) é tido como central na epístola.

A Justiça de Deus permeia toda a mensagem:
A) De Rm 1.18 a 3.20 vemos que o homem precisa da Justiça de Deus;
B) De 3.21 a 5.21 temos a Justiça de Deus como a justificação do homem;
C) De 6.1 a 8.39 percebemos a ação da Justiça de Deus na vida do homem;
D) De 9.1 a 11.36 a Justiça de Deus está no relacionamento entre judeus e gentios;
E) De 12.1 a 15.13 vemos a como expressar a Justiça de Deus na vida cristã.

Para Franklin Ferreira justiça tem 4 significados diferentes em Romanos: 1. Fidelidade (Rm 3.3, 4); 2. Ira, significando aversão ao pecado (Rm 1.17, 18 e 2.5); 3. A morte de Cristo como manifestação da Justiça de Deus (Rm 3.24 e 25); e 4. Ligação da justiça e fé, a justiça é recebida pela fé somente.
A epístola de Romanos foi o fogo de Deus que incendiou a Reforma Protestante. Ela foi a base para toda ação dos reformadores. Romanos 1.17 desafiou Martinho Lutero a rever suas posições. Esta passagem “mudou toda sua vida e o curso da história”.

NOTAS:
[1] Talvez por essa razão que o apóstolo Paulo se identifica como “servo de Cristo” no primeiro versículo dessa epístola. A palavra servo (doulos, em grego) é também traduzida pelo termo escravo. Era um possível significado da época.
[2] Aqui vemos cumprir a Palavra de Deus que está em Gálatas 4.4 “vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho...” o Mundo daquela época estava pronto para receber o Evangelho: uma só língua, estradas de ótima qualidade, paz entre os povos.
[3] Cencréia era o porto oriental de Corinto. Febe é a portadora da carta de Paulo.


REFERÊNCIAS:
HALE, Broadus David. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO NOVO TESTAMENTO. Rio de Janeiro: JUERP, 1983;
CHAMPLIN, Russel Norman. ENCICLOPÉDIA DE BÍBLIA TEOLOGIA E FILOSOFIA. São Paulo: Candeia, 1997.
FERREIRA, Franklin. A EPÍSTOLA DE PAULO AOS ROMANOS. Em http://www.monergismo.com/textos/comentarios/Romanos_Parte1_Franklin.pdf acessado em 11/08/2008.

VEJA TAMBÉM:
ROMANOS (Pr. Isaltino Gomes)
ROMANOS (Pr. Franklin Ferreira)

Celson Coêlho
Diretor Estadual do DEBQ-PE
Editor do Blog

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante.
Porém, comentários ANÔNIMOS não serão publicados.
Celson Coêlho