segunda-feira, 27 de outubro de 2008

O EVANGELHO QUADRANGULAR, uma perspectiva histórica

“Olhe, olhe, é o E-v-a-n-g-e-l-h-o Q-u-a-d-r-a-n-g-u-l-a-r!”[1]
Essa foi a constatação de Aimee Semple McPherson. Ocorreu em Oakland, Califórnia, findando o mês de julho de 1922. Estava realizando uma grande campanha evangelística, uma das marcas de seu ministério. Acontecera antes da inauguração do Templo Ângelus em Los Angeles. A frase rompeu quando pregara em uma grande tenda, o tema era “A Visão de Ezequiel”. Aproximadamente 8 mil pessoas lotavam o recinto[2].
Passados mais de 80 anos, o Evangelho Quadrangular tem percorrido o Mundo. São 150 países já alcançados[3]. Como surgiu nossa igreja? Como estava o mundo evangélico no seu surgimento? Quais fatores podem ter influenciado a visão da fundadora de nossa igreja?
Esses questionamentos são válidos para melhor compreensão de nossas raízes. Neste texto, veremos pontos que reforcem nossa visão histórica sobre a Igreja do Evangelho Quadrangular, principalmente sobre seu surgimento. Ele é o primeiro de uma série de 4 postagens.[4]


I – O ÂMBIENTE EVANGÉLICO NA ÉPOCA

A fundadora da IEQ[5] internacional nasceu em 09 de outubro de 1890. Na adolescência participava da igreja Metodista. Sua conversão deu-se aos 17 anos. Casou-se com Robert Semple em 22 de agosto de 1908. Neste ano ingressou no campo evangelístico. Suas primeiras grandes campanhas evangelísticas ocorreram entre 1915 e 1918.
Com essas informações iniciais sobre o desenvolvimento de Aimee e o surgimento de nossa igreja, poderemos ver alguns fatores que, possivelmente, colaboraram para as raízes da IEQ mundial.

FATOR 1: O Metodismo
Aimee teve suas bases cristãs na igreja metodista. Realizava visitas desde criança com seus pais.
CAIRNS revela que a igreja Metodista era uma das que mais cresciam no fim do século 19. Assim ele retrata: “Estima-se que cerca de 500.000 e 1.000.000 de pessoas foram acrescentadas à igreja, com os metodistas ganhando a maioria dos novos membros.” (p. 399)
Inicialmente não sendo uma igreja, esse movimento era um grupo de oração liderado por John Wesley (1703-1791). Receberam o nome de metodistas devido ao seu estudo bíblico metódico. Com surgimento na Inglaterra, não concordavam com a letargia e frieza que a igreja passara. Por isso desejavam uma piedade prática e não apenas doutrinária. Buscavam sua inspiração no estudo bíblico e na oração. Ao chegar aos Estados Unidos, tornou-se uma grande igreja. Conforme WALKER (p. 231, v. 2), sua ênfase religiosa era conversão, tendo uma fé confiante e vida religiosa demonstrada em obras ativas.

FATOR 2: Os Grandes Evangelistas
Os anos anteriores ao nascimento de Aimee caracterizaram-se com o surgimento das missões modernas. Seu precursor fora William Carey (1761-1834). Várias organizações missionárias surgiram nessa época, seus alvos principais eram Índia e China. Este clamor por vidas salvas acendeu a chama em crentes dedicados. Assim surgiram grandes evangelistas. “A ênfase reavivadora do protestantismo americano foi continuada fortemente” (WALKER, p. 280). Dwight L. Moody (1837-1899), seu expoente, fora evangelista leigo e pregador agressivo. Teve seus métodos de reavivamento largamente copiados. Tinha como característica a evangelização de massas, urbana e profissional, em lugares públicos.

FATOR 3: O Surgimento do Pentecostalismo
Podemos definir assim o pentecostalismo: “Movimento de reforma carismática evangélica que usualmente acha suas raízes num irrompimento do falar em outras línguas em Topeka, Kansas, em 1901, sob liderança de Charles Fox Parham, que tinha sido um pregador metodista.” (Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã, p. 131)
O também chamado, carinhosamente, de avivamento da rua Azusa deu início a uma nova fase na vida da igreja. Surgiu um grande interesse pela pessoa e obra do Espírito Santo. Enfatizava-se o revestimento de poder com o batismo com Espírito Santo. Este renovo possibilitava a busca da cura divina e dos milagres semelhante àqueles ocorridos nas páginas da Bíblia.
O Rev. Durham, que tinha nossa fundadora em suas cruzadas evangelísticas, é citado por SYNAN (p. 132) como um dos pioneiros do movimento. O mesmo pastor, continua SYNAN (p. 133), influenciou as primeiras denominações pentecostais, inclusive a nossa.

II – AS BASES DO INÍCIO

Não pretendo ser conclusivo na apresentação dos fatores anteriores. Entretanto, acredito serem importantes para entendermos nosso início como igreja. Eles permeiam as ações primeiras de nossa fundadora.
Por ocasião de sua conversão e de seu batismo com o Espírito Santo, vemos uma inquietação e uma busca quase infindável, possível influência do metodismo. Foi marca das ações posteriores no ministério de Aimee. Também do metodismo pode ter herdado o interesse de encontrar respostas nas Escrituras. Assim fora quando desejou descobrir a poder para conquistar almas (estudou com afinco o livro de Atos) e quando procurou na Bíblia as bases para o Evangelho Quadrangular.
A inovação e dedicação evangelísticas também eram marcantes em sua vida. Assim não se contentou com poucas pessoas no início de suas campanhas e protagonizou um dos atos mais curiosos do seu ministério. Levou uma cadeira a uma esquina movimentada, com braços erguidos orou em silêncio. Chamou atenção de muitas pessoas que estavam próximas e as atraiu para local da pregação. Suas primeiras reuniões foram realizadas em grandes tendas. Fundou uma das primeiras rádios evangélicas.
A marca pentecostal também fazia parte de seu ministério. Milagres eram realizados por Deus através da vida de Aimee. Assim noticiavam os jornais da época[6]: “Mulher cega teve sua visão instantaneamente restaurada no avivamento no Lírico; Milagres acontecendo atualmente; Paralítico anda sem muletas; Surdo ouve instantaneamente.” Ante as manifestações de milagres e curas, sempre colocava em primazia o ministério de salvação de vidas.

III – O INÍCIO NO BRASIL

O fundador da nossa igreja no Brasil foi Harold Williams. Antes de se tornar pastor era ator de filme de “farwest”. Nasceu em 27 de novembro de 1913, em Hollywood, EUA.
O início da IEQ nacional foi em São João da Boa Vista, em 15 de novembro de 1951. Inicialmente chamou-se Igreja Evangélica do Brasil. Ficou famosa como igreja da tenda e igreja da cruzada. Isto por que no início os primeiro cultos eram realizados em tendas e grandes cruzadas evangelísticas eram feitas ao ar livre.
Algumas marcas que estiveram no início da IEQ com Aimee também permearam o início da IEQ no Brasil: (1) A utilização de tendas para dar início às primeiras obras; (2) A realização de grandes campanhas evangelísticas, com muitas pessoas sendo salvas; (3) A ênfase na cura e milagres como benção de Deus para seu povo; (4) Grande fervor missionário.
Nesse ano de 2008 completamos 57 anos de história. Contamos com aproximadamente 2 milhões e meio de membros distribuídos em mais de 8.300 igrejas no território nacional (confira os dados AQUI).

“Não a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua misericórdia e da tua fidelidade.” (Sl 115.1)

“Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre.” (Hb 13.8)

[1] COX, p. 13
[2] Evangelho Quadrangular, p. 5
[3] http://www.ieqmissoes.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=44:bases-historicas&catid=34:sgm&Itemid=53 (consultado em 26/10/2008 as 22:00)
[4] Os próximos serão: Uma Perspectiva Teológica, Uma Perspectiva da Educação Cristã e Marcas de Uma Educação Bíblica Quadrangular.
[5] Igreja do Evangelho Quadrangular.
[6] Apostila Evangelho Quadrangular, p. 19.

REFERÊNCIAS:

APOSTILA EVANGELHO QUADRANGULAR, Utilizada no Nível Avançado do DEBQ. Compilada pela SGEC, tendo como organizadoras Pastoras Mara Cristina Lau e Pastora Edinéia Pires Domingues. 2005.
CAIRNS, Earle E. O CRISTIANISMO ATRAVÉS DO SÉCULO. São Paulo: Vida Nova, 1984.
CAVICHIOLO, Norma Luiza Lau. EVANGELHO QUADRANGULAR. Apostila utilizada no ITQ. 2002.
COX, Raymond L. O EVANGELHO QUADRANGULAR. São Paulo: Quadrangular. 1991.
SYNAN, Vinson. PENTECOSTALISMO. In Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. São Paulo: Vida Nova.1990.
WALKER, Williston. HISTÓRIA DA IGREJA CRISTÃ. Rio de Janeiro e São Paulo: JUERP/ASTE. 4ª Ed, 1983.

Celson Coêlho
Diretor Estadual do DEBQ-PE
Editor do Blog



(reprodução autorizada desde que mantida a integridade do texto, mencionado o autor: Celson Coêlho e o blog: www.ebqrecife.blogspot.com/)

4 comentários:

Jane - IEQ sede - Recife disse...

Não podemos esquecer do início da nossa igreja aqui no Recife. Com o missionário Antonio Genaro de Oliveira. "Em 1971 foi para Recife, no estado de Pernambuco, iniciando a obra no bairro de Casa Amarela. Em abril de 1973, tendo cumprido sua dura missão em Recife, o missionário Antônio Genaro seguiu para Belo Horizonte." (Histórico da Quadrangular no Brasil - Biografia de Antônio Genaro de Oliveira).

EBQRECIFE disse...

Olá Jane!
Mais uma vez obrigado por sua participação.
Realmente não podemos esquecer a nossa história a nível estadual. Devido ao espaço da postagem não pude abordar o início da IEQ em Pernambuco (onde nós fazemos parte), mas você foi muito feliz nesse comentário e enriqueceu NOSSO BLOG.
Sinta-se sempre à vontade...
Que Deus continue te abençoando na classe de mulheres!
Um Abraço!

Celson Coêlho

Anônimo disse...

Primeiramente quero parabenizar pelo excelente trabalho e iniciativa desse pincelamento histórico do movimento pentecostal e suergimento da Igreja do Evangelho Quadrangular como parte desse movimento. Todavia é preciso esclarecer um grave erro da história da fundação da IEQ no Brasil, quando mencionamos o Rev. Harold Williams como único fundador da igreja no Brasil. Junto com ele estava o peruano, Rev. Jesus Ermílio Vasquez Ramos (vivo até hoje 04/02/2009, morador da cidade paulista de Americana, já com seus 92 anso de idade). Inclusive pertence a ele a indicação que influênciou a decisão de virem para o Brasil, já que à época, era intenção do Rev. Harold ir para a Venezuela e não para o Brasil.

EBQRECIFE disse...

Olá Irmão (ou irmã)!
Paz!
Agradeço por sua visita e colaboração.
Gostaria de fazer algumas considerações sobre seu comentário:
1. Sua participação foi riquíssima. Você acrescentou ao nosso blog com sua participação. Trouxe informação que para alguns é nova.
2. Não temos problemas com postagens anônimas, mas para um comentário importante como esse, seria bom termos sua identificação para uma interação melhor.
3. Por se tratar de uma postagem em um blog, não poderíamos alongar mais o texto. O objetivo maior desse texto é “pincelar” as raízes do surgimento quadrangular, pontos 1 e 2 do texto. O ponto 3 serviu para mostrar que essas raízes foram expressas também na IEQ no Brasil.
4. Tenho conhecimento da colaboração do Rev Jesus Ermílio na fundação da IEQ Brasil e no ministério do Rev. Harold. Nas fontes pesquisadas encontramos essa informação. Mas, como justifiquei a Jane, professora do nosso DEBQ, sobre a história estadual da nossa IEQ, também justifico a você: iria alongar o texto. Ainda mais sabendo que temos muita informação sobre o surgimento da IEQ Brasil na internet.
5. Quanto ao “erro grave” que você descreve, acredito que não seja assim como você está pensando. Fosse dessa forma não teríamos na apostila de Evangelho Quadrangular utilizada pelos ITQ´s em todo Brasil (até 2005/2006) a alusão a importante participação do Rev. Jesus Ermílio. Veja um trecho: “Naquela hora difícil, em que devia tomar uma decisão capaz de mudar toda sua vida... o encontro com Hermílio Vasquez foi a melhor coisa que lhe acontecera. A palavra de estímulo daquele pastor peruano, calmo, com aquela voz grave, e melhor conhecedor dos hábitos e costumes latino-americanos, infundiram novo ânimo em Harold Williams.” (pg. 28). Esta apostila visa formar o ministério Quadrangular. Ela fornece essas informações aos nossos pastores.

Paz irmão!
Volte sempre e colabore mais vezes com nosso BLOG.

Celson Coêlho

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante.
Porém, comentários ANÔNIMOS não serão publicados.
Celson Coêlho