terça-feira, 31 de março de 2009

VERDADE OU MENTIRA: O uso do polígrafo na TV brasileira, o dia da mentira e os princípios bíblicos

Por Celson Coêlho*

As vésperas do conhecido dia da mentira, 1º de abril, lembramos que a TV brasileira tem popularizado o uso do polígrafo. São vários programas em diversas emissoras. No SBT, temos o programa “Verdade ou Mentira”, nas noites de quinta, com apresentação de Sílvio Santos. Na Band o programa da Márcia (nome da apresentadora e do programa). Na Globo, o mais conhecido e venerado de todos: o Big Brother Brasil.
O polígrafo, mais conhecido como detector de mentiras, foi amplamente usado nos Estados Unidos.

Inventado na década de 20, teve seu auge nos filmes policias norte americanos. O aparelho consiste em alguns “eletrodos presos à pele, que registram mudanças na sua umidade e alterações na pressão sanguínea, além de tremores na voz e anormalidades respiratórias”. Tendo uma fama tardia em solo tupiniquim, o aparelho está em decadência nos EUA. O congresso americano proibiu o uso do aparelho pelas empresas em recrutamentos de funcionários.

No Brasil, além da TV, apenas a polícia de São Paulo o utiliza (conforme http://super.abril.com.br/superarquivo/1988/conteudo_111125.shtml, acessado em 31/03/09). Porém, o mesmo não é válido como prova judicial.
As alterações de alguns parâmetros psicológicos e fisiológicos são avaliadas pelo aparelho: batida do coração, aumento da transpiração, dilatação da pupila, alteração na respiração, etc. Contudo, a sensatez nos diz que muitas pessoas não mentindo podem provocar tais variações por outras circunstâncias. (para ver mais sobre o polígrafo clique AQUI e AQUI)

O dia da mentira, conforme Elvis Brassaroto, tem várias explicações para sua origem. As mais aceitáveis: (1) o rei Carlos IX da França, assinara um decreto transferindo o início do ano de 1º de abril para 1° de janeiro. Assim os franceses iniciaram uma sátira com o 1° de abril. Isto no século XVI; (2) O rei Luís XIII sofreu uma “peça” do príncipe Loraine, quando este fugira do Castelo de Nancy. Aproveitando a impopularidade de seu rei, os franceses marcaram o dia (1º de abril) para rididularizá-lo.

Este dia é lembrado em vários países. Nos Estados Unidos é chamado de “April Fools Day”, na França “Pisson d´Avril”, em Portugal “O Dia dos Enganos”. No Brasil não temos mais a mesma atenção para esse dia. Mas sua raiz ainda deixa sequelas. Crianças ainda se deixam levar por brincadeiras que não só fazem parte desse dia. Tal fato nos dá um ar de normalidade quando chegamos à vida adulta.
Existe inclusive o site da mentira, se interessar, clique AQUI.
Mentir é “fazer declarações propositalmente falsas, meias verdades que envolvem falsas impressões” (Enciclopédia de Bíblia, teologia e Filosofia, pg 228).

PRINCÍPIOS BÍBLICOS

Deus não pode mentir: 1Sm 15.29 (a Glória de Israel se refere a Deus);

Deus permanece fiel aos seus propósitos para com o homem: 2Tm 2.13;

A mentira leva ao erro e ilusão: Jr 23.32;

Satanás é o pai da mentira: Jo 8.34;

A verdade traz libertação: Jo 8.32;

A viver na mentira é uma atividade do homem não regenerado: Cl 3.9;


REFERÊNCIAS: (além dos sites com links no texto)

BÍBLIA SAGRADA, Por João Ferreira de Almeida, Versão Revista e Atualizada. 2ª Ed. Sociedade Bíblica do Brasil.

ELVIS BRASSAROTO ALEIXO, 1º de Abril, o dia da mentira. In: Revista Defesa da Fé. N° 33. 2001.

MENTIRA, In: Enciclopédia de Bíblia, teologia e Filosofia. 1997. Pg 228 e 229.


*Celson Coêlho
Diretor do DEBQ-PE
Editor do Blog

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante.
Porém, comentários ANÔNIMOS não serão publicados.
Celson Coêlho