terça-feira, 29 de junho de 2010

ESCRITO NAS ESTRELAS, ESCRITO NA BÍBLIA

Com a desculpa de tratar da temática “espiritualidade”, a Rede Globo abre mais uma vez seus estúdios para a divulgação do espiritismo. A novela das 6h, Escrito nas Estrelas, iniciada em 12 de abril do corrente ano, soma-se a outras atrações vinculadas pela emissora para fazer eco ao centenário do nascimento do médium Chico Xavier. Além da novela, foi ao ar um documentário no Globo Repórter sobre Chico Xavier (26/03/2010) e uma minissérie sem data de estréia, intitulada “A Cura”, onde um médico descobre “poderes” mediúnicos para realizar cirurgias espirituais.
Como carro chefe da sua mobilização, as Organizações Globo também lançaram neste ano o filme Chico Xavier. Produzido pela Globo Filmes e dirigido por Daniel Filho, a película estreou no dia 2 de abril nos cinemas, data do nascimento do médium.


UM RESUMO DA NOVELA

Uma criação de Elizabeth Jhin, que trabalha com novelas há 20 anos, tem como protagonistas o pai Dr. Ricardo (interpretado por Humberto Martins) e o filho Daniel (Jaymme Matarazzo). Ricardo, viúvo há dez anos e dono de uma clínica de fertilização, perde seu filho único (no primeiro capítulo). Visando ter um herdeiro, inicia uma procura por uma mulher que possa gerar um neto por inseminação.

Viviane (Nathalia Dill), que estava no mesmo carro de Daniel no momento do acidente, foi a escolhida. Daniel e Viviane se apaixonaram antes do acidente. A continuação dessa paixão se dará mesmo após a morte do rapaz. Assim expressa a autora: “O interessante é que Daniel e Viviane terão um caso de amor que começa após a morte.”

Logo após a morte, a mãe de Daniel foi buscá-lo. Na sua “existência” pós morte, ele terá companhia da mãe, de um anjo da guarda e de um espírito de luz.

Declarações dos Atores
Jaymme Matarazzo (interpreta Daniel): “Tenho minha fé, acredito em Deus e na minha intuição”
Humberto Martins, (interpreta Dr. Ricardo, pai de Daniel): “Acredito em fé, Deus e energia e acho que nossa mente tem poderes que a gente desconhece.”
Nathalia Dill (interpreta Viviane): “A minha relação com Deus é muito pessoal. Cada dia eu tenho uma nova formulação e uma nova reflexão. É algo muito interno.”
Elizabeth Jhin (autora da novela): "Acredito na existência de um outro plano"; "Estou apaixonada pela busca de entender, em qualquer religião, essa transcendência entre os mundos"


ESPIRITISMO NO BRASIL

Como suposta forma de comunicação com os mortos, podemos dizer que o espiritismo é bem antigo. Porém, o espiritismo moderno como o conhecemos, tem suas origens no século XIX. Considera-se seu início em março de 1848, em Hydesville, Nova Iorque. Deu-se quando as irmãs Kate e Margaret tiveram experiências com supostos espíritos em sua residência. Após 30 anos como médiuns, em 21 de outubro de 1888, conforme RINALDI e ROMEIRO (pg 185), elas admitem a fraude perante uma assembléia na Academia de Música de Nova Iorque. “A retratação de Margarida [Margaret] foi publicada no New York Herald de 24 de março de 1888. Nesta retratação, Ela diz que os estalidos que deram “origem” ao moderno espiritismo foram produzidos pelos seus dedos”, completa MOREIRA (pg 36).

Apesar de experiências anteriores dos índios e negros aqui presentes, no Brasil, seu início data de 17 de setembro de 1865. Em Salvador, Bahia, foi realizada a primeira sessão espírita. Em 1884, em 1º de janeiro, tem-se a fundação da Federação Espírita Brasileira (FEB). Em solo brasileiro destacamos as seguintes ramificações do espiritismo: 1) Espiritismo Kardecista, filiado a FEB; 2) Legião da Boa Vontade; e 3) Cultos Afro-Brasileiros.

RINALDI e ROMEIRO (pg 180) revelam três razões da fácil aceitação do espiritismo em solo brasileiro:

1) A declaração “você é um médium, precisa desenvolver-se” sugerida quando pessoas compartilham “problemas ligados a insônia, tristeza, perturbações, arrepios...” faz com que muitos se sujeitem a uma sessão espírita para se ver livre dos problemas. Após a exposição, os antigos adeptos e os próprios “espíritos” alertam das conseqüências ruins de uma possível saída;

2) A pseudo-comunicação com um ente querido após a morte leva muitos a procura de diminuir a saudade. Situação bem explorada pelo espiritismo; e

3) “A ignorância religiosa do povo brasileiro sobre o que significa ser cristão... Os católicos, por exemplo, declaram naturalmente e sem constrangimento simpatizar com idéias espíritas, além de frequentar centros e se comunicar com “espíritos”.


DOUTRINAS ESPÍRITA

Conforme o dicionário Michaelis, espiritismo é a “doutrina (e prática) segundo a qual os espíritos dos mortos se comunicam com os vivos pela ação dos médiuns, manifestando-se por toques, movimentos de objetos e certas formações materiais (ectoplasmas).”

Suas principais doutrinas são:

Comunicação com mortos:
O espírito do homem é liberado do corpo após a morte biológica. Nesse estado pós morte poderia comunicar-se com os seres humanos.

Reencarnação:
“A doutrina da reencarnação, que consiste em admitir para homem muitas existências sucessivas, é a única que corresponde à ideia de justiça de Deus com respeito aos homens de condição moral inferior, a única que pode explicar o nosso futuro e fundamentar as nossas esperanças, pois oferece-nos o meio de resgatarmos os nossos erros através de novas provas. A razão assim nos diz, e é o que os espíritos nos ensinam.” (O Livro dos Espíritos, pg 84, citado por Rinaldi e Romeiro)

Salvação por boas obras:
“Fora da caridade não há salvação”


ESPIRITISMO A LUZ DA BÍBLIA

No cristianismo temos a Bíblia com regra de fé e prática. Ela nos orienta em o que devemos crer e como devemos proceder. Sua inspiração é divina, sendo assim, tem utilidade para o ensino, repreensão, correção e educação na justiça. Tudo isso com um objetivo: fazer “o homem de Deus perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2Tm 3.16 e 17).

Algumas considerações bíblicas:

1) Quanto a reencarnação: Ao homem está ordenado morrer uma única vez, após isso vem o juízo (Hb 9.27). A missão de Jesus é buscar e salvar o perdido (Lc 19.10). Não precisamos de reencarnações sucessivas para conseguir uma purificação de nossa alma. A nossa dívida foi removida (Cl 2.14). O Salvador declarou para o ladrão na cruz: “...hoje estarás no paraíso comigo” (Lc 23.43).

2) Quanto a pseudo-comunicação com os mortos: Deus abomina aqueles que tentam consultar os mortos (Dt 18.10-12). Um texto bastante esclarecedor é Lucas 16. 18-31. Os vivos devem se orientar por Moisés e pelos profetas, pela Palavra de Deus, a Bíblia (Lc 16.29-31).

3) Quanto a salvação pelas obras: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.” (Ef 2.8, 9) Imaginemos quem teria mais chance de salvação, um rico ou um pobre? Não acha um pouco injusto esse sistema de salvação pelas obras: o rico compra, o hábil conquista e o forte toma posse. (veja Jo 1.12, 13).


O CUIDADO CRISTÃO

Acredito que se um cristão fosse abordado por um espírita tentando levá-lo para sua religião não se deixaria convencer. Mas, o que ocorre na novela é diferente. Uma forma muito ardilosa de inculcar os preceitos espíritas.
Redobremos a atenção. Vivemos em meio a uma constante guerra de influências. A televisão é uma das maiores armas para se vencer este embate.
Não queremos afirmar que seja pecado assistir TV ou até mesmo novelas (apesar de muitas programações fúteis).
Nos deixemos influenciar pelas coisas de Deus.

“Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus.
Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra;
porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus.
Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória.” (Cl 3.1-4)


REFERÊNCIAS

Sobre a novela
http://www.gospelprime.com.br/rede-globo-investe-no-espiritismo-com-novela-e-seriado/, acessado em 23/06/10 às 22:00h.

http://www.abril.com.br/blog/chiado/2010/03/23/novela-e-serie-que-falam-de-espiritos-sao-apostas-da-globo/, acessado em 23/06/10 às 22:15h.

http://www.jeinforma.com/2009/08/espiritismo-em-alta-na-globo.html, acessado em 23/06/10 às 22:45h.

http://televisao.uol.com.br/ultimas-noticias/2010/03/19/espiritismo-e-ciencia-genetica-dao-o-tom-a-novela-escrito-nas-estrelas.jhtm. acessado em 23/06/10 às 23:00h.

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/novela+quotquotescrito+nas+estrelasquotquot+estreia+na+globo+
com+tematica+espirita/n1237588841120.html, acessado em 23/06/10 às 23:15h.

http://www.ogalileo.com.br/cristianismo/materias/globo-abordara-espiritismo-em-novela-e-minisserie, acessado em 23/06/10 às 23:30h.


Sobre o espiritismo
RINALDI, Natanael e ROMEIRO, Paulo. DESMASCARANDO AS SEITAS. Rio de Janeiro. CPAD. 1996.

MOREIRA, Reginaldo Pires. GRANDES VERDADES SOBRE O ESPIRITISMO. Rio de Janeiro. JUERP. 1997.

AGNOLETTO, Nelson. CAMINHOS TORTUOSOS. São Paulo. Editora Quadrangular. 1995.

http://www.cacp.org.br/midia/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=2365&menu=16&submenu=7, acessado em 23/06/10 às 22:30h.


Celson Coêlho
Diretor Estadual DEBQ-PE
Editor do Blog

(reprodução autorizada desde que mantida a integridade do texto, mencionado o autor: Celson Coêlho e o blog: www.ebqrecife.blogspot.com/)


LEIA TAMBÉM EM NOSSO BLOG:

O (MAL) INTERESSE DA MÍDIA PELA FÉ

IEMANJÁ NA TV BRASILEIRA

segunda-feira, 21 de junho de 2010

ENTREVISTA: PASTORA MARCIA PINHEIRO

Com mais uma iniciativa do Nosso Blog, trazemos aos leitores mais um espaço de interação sobre a educação na igreja. Abrimos as portas para EDUCADORES QUARANGULARES compartilharem suas experiências e visão educacionais. Temos homens e mulheres dedicados ao ensino que são verdadeiros Mestres (e Mestras) da Palavra. Não podemos correr o risco de esconder obra tão importante (Mt 5.15). Entendemos que essa luz tem que brilhar diante dos homens, para que vejam tais obras e Deus seja glorificado (Mt 5.16).
A primeira entrevistada é a pastora Márcia Pinheiro, que já compartilhou um dos seus artigos aqui em Nosso Blog (Peladeiros! Boleiros! Craques! Para ver, acesse o link ao final da entrevista). Márcia Pinheiro é Pastora Auxiliar no Parque Taquaral/SP, Pedagoga e Psicopedagoga, Mestre em Educação/Unicamp, Diretora Local DEBQ Templo Central e da Missão Quadrangular Cristo para as Crianças - Unidade Campinas, Docente do Instituto Haggai, DEBQ, ITQ e da MQCC.

Na entrevista concedida ao Editor do Blog, a Pastora Márcia fala sobre o ministério de ensino na igreja e a importância da educação infantil. Ao final da entrevista você poderá comentá-la, basta clicar em “comentários” e deixar sua interação (obs.: Não publicaremos comentários anônimos).

BOA LEITURA...


Celson Coêlho: Há quanto tempo você trabalha com educação na IEQ? Houve alguém ou alguma situação que te despertou para isso?
Pra. Marcia Pinheiro: Primeiramente, quero agradecer a Deus e a você pela oportunidade de expor minhas reflexões e projetos. Vou tentar especificar: trabalho com Educação na IEQ há 15 anos, sendo 05 anos como professora da DEBQ e 10 anos como Diretora Regional, função que deixei no início de 2010. Há 14 anos atuo como professora do ITQ em várias disciplinas. Há 01 ano como vice-diretora da Missão Quadrangular Cristo para as Crianças (MQCC) e desde 2009 na direção da MQCC-Unidade Campinas.
Meu despertamento deu-se por uma situação de desconforto na EBQ: Poderíamos fazer melhor aquilo que estava sendo realizado. Inspirei-me em algumas mulheres e homens: Pra. Ozaide, Pra. Beth, Pra. Safira, Pr. César e Pr. Luis Carlos Pinto

Celson Coêlho: O ministério na igreja exige uma boa parte do nosso tempo, como você tem administrado o tempo entre família, vida profissional e ministério?
Pra. Marcia Pinheiro: Sim na verdade trabalhamos todos integralmente na obra - dentro e muito mais fora da igreja. Por exemplo: você preparando as perguntas e eu respondendo, é um trabalho invisível, que nesse momento só eu e você sabemos!!! Bom, para harmonizar minha rotina, eu me dedico apenas à área de educação e seus eventos. E vou priorizando. Como trabalhei profissionalmente em plantões, cheguei a trabalhar muitos finais de semana e feriado para acumular folgas e poder conciliar a tríade: Família, Trabalho e Ministério.

Celson Coêlho: Como sua formação acadêmica foi útil em seu ministério na igreja?
Pra. Marcia Pinheiro: Utilizei minha especialização em Psicopedagogia e o Mestrado em Educação, ambos realizados pela Unicamp, para ampliar conceitos bíblicos e trazê-los mais próximo do cotidiano de todos nós através da mídia de imagens. E o inverso também; tenho conseguido levar os conceitos bíblicos para o universo acadêmico.

Celson Coêlho: Realizar educação infantil nas igrejas evangélicas tem sido um desafio. Na IEQ não é diferente. Tendo experiência com educação infantil na vida profissional como também na igreja, qual seria(m) a(s) dificuldade(s) em nossas Escolas Bíblicas?
Pra. Marcia Pinheiro: Eu diria que esse problema é da sociedade no geral, pois fomos formados entendo que a criança não tem muito valor, pois ela é tratada como alguém “que ainda não é” e sim “que será”, ou seja “quando você for grande, você poderá....” ou um chavão muito usado as “crianças são a igreja do amanhã”. A nossa dificuldade poderá ser sanada quando entendermos que a criança é a igreja de hoje, é hoje que estamos apresentando o evangelho pra ela, para que no futuro ela possa optar e permancer na Igreja.

Celson Coêlho: De que forma os pastores e diretores das EBQ´s em nossas igrejas podem facilitar o ministério infantil?
Pra. Marcia Pinheiro: Estudando, chamando os líderes estaduais e Regionais da Educação de crianças e Adolescentes para buscar e trocar informação.
Abrindo porta para as pedagogas de suas igrejas, investindo em oração e financeiramente.

Celson Coêlho: Se você estivesse, neste momento, orientando uma professora que inicia na classe de crianças, qual seria seu conselho?
Pra. Marcia Pinheiro: Faça o curso da Missão Quadrangular Cristo para as Crianças (MQCC); Ore no sentido de marcar a sua geração (fazer diferente).
Invista em você mesmo(a): em dois níveis primordiais:
Profissionalmente: faça um curso de formação superior e se mantenha atualizado em sua área de atuação profissional (especialização, mestrado, doutorado); Domine uma língua estrangeira.
Ministerialmente: participe de evento nacional a cada dois anos; de evento estadual anualmente; eventos regionais/locais, sempre que tiver.

Celson Coêlho: Qual a importância de um bom trabalho com as crianças na igreja?
Pra. Marcia Pinheiro: Um bom trabalho é importante porque apresenta o evangelho que consolida o caráter com valores morais importantes para todo o ser humano, pra criança de colo até o adulto e proporciona a continuidade/permanência da criança em CRISTO.
Fato importante: devemos observar é que as crianças estavam presentes nas principais celebrações do povo de Israel (Js 8:35, 2 Cr 20:13, Ne 12:43). Elas louvaram a Jesus em sua entrada triunfal em Jerusalém (Mt 21:15). Com isso concluímos que as crianças têm lugar importante no culto a Deus.

Celson Coêlho: Como Diretora do DEBQ qual a sua palavra de orientação e motivação para os milhares de professores que exercessem seu ministério nas mais variadas cidades em que existem IEQ em nosso país?
Pra. Marcia Pinheiro: DEUS PODE FAZER TUDO SOZINHO, MAS PREFERE CONTAR COM VOCE!
Agradeço mais uma vez o privilégio!!!!

LINKS:

"Peladeiros! Boleiros! Craques!" (artigo da Pra. Márcia publicado aqui em Nosso Blog em 15/06/2008)
http://www.eucreionomqcc.blogspot.com/ (blog sobre o trabalho da MQCC em Campinas onde a Pra. Márcia é Diretora)
http://www.quadrangularcampinas.com.br/ (site da IEQ Campinas)


(reprodução autorizada desde que mantida a integridade do texto, mencionado o autor: Celson Coêlho e o blog: http://www.ebqrecife.blogspot.com/)

quinta-feira, 17 de junho de 2010

FESTAS JUNINAS

*Celson Coêlho


Que o Brasil é um país festeiro não é novidade para ninguém. Logo acaba uma festa, o povo fica ávido pelo começo de outra. Assim acontece ao término do período carnavalesco, muitos contam os dias para chegada das festas juninas.
No mês de junho, as festas caracterizadas pelo colorido e pela alegria têm como alvo homenagear três santos designados pela igreja católica: santo Antônio (dia 13), são João (dia 24) e são Pedro (dia 29).

ORIGENS, sincretismo católico

As festas juninas foram absorvidas por nós através da herança deixada pelos colonizadores portugueses. Tido como folclore, uma das primeiras referências em terras tupiniquins data de 1603, feita pelo frade Vicente de Salvador: “os índios acudiam a todos os festejos dos portugueses com muita vontade, porque são muito amigos da novidade, como no dia de são João Batista, por causa das fogueiras e capelas.” [1]

Diversos povos da Europa antiga realizavam festas populares pelo início da colheita. Normalmente realizavam rituais visando boa fertilidade do solo e boas chuvas. Aos deuses eram oferecidos comidas, bebidas e animais. Procurando espantar os maus espíritos, realizavam danças e acendiam fogueiras.

Anterior a esta época, há vestígios, na antiguidade, a uma festa pagã que cultuava a deusa Juno, da mitologia grega. As festas eram denominadas de “junônias”.
Como o catolicismo comemorava o nascimento de são João em data coincidente e visando ganhar mais adeptos, a igreja adaptou os festejos ao calendário cristão. Por este motivo, foram denominadas inicialmente de joaninas. Os jesuítas foram os primeiros propagadores em solo brasileiro.


A TRADIÇÃO

Balões: quem o salta, espera que suba sem dificuldades, pois assim seus desejos serão atendidos. Também se acredita que os pedidos dos homens são levados pelos balões a são João.

Fogueiras: assim expressa um mito católico:
“Nossa Senhora e Santa Isabel eram muito amigas. Por esse motivo, costumavam visitar-se com freqüência, afinal de contas amigos de verdade costumam conversar bastante. Um dia, Santa Isabel foi à casa de Nossa Senhora para contar uma novidade: estava esperando um bebê ao qual daria o nome de João Batista. Ela estava muito feliz por isso! Mas naquele tempo, sem muitas opções de comunicação, Nossa Senhora queria saber de que forma seria informada sobre o nascimento do pequeno João Batista. Não havia correio, telefone, muito menos Internet. Assim, Santa Isabel combinou que acenderia uma fogueira bem grande que pudesse ser vista à distância. Combinou com Nossa Senhora que mandaria erguer um grande mastro com uma boneca sobre ele. O tempo passou e, do jeitinho que combinaram, Santa Isabel fez. Lá de longe Nossa Senhora avistou o sinal de fumaça, logo depois viu a fogueira. Ela sorriu e compreendeu a mensagem. Foi visitar a amiga e a encontrou com um belo bebê nos braços, era dia 24 de junho. Começou, então, a ser festejado São João com mastro, fogueira e outras coisas bonitas, como foguetes, danças e muito mais!”. [2]

Ainda conforme a tradição, cada um dos santos requer uma arrumação diferente da fogueira.

Fogos de Artifícios: uma antiga crendice portuguesa acreditava que os estrondos dos fogos espantavam o diabo e seus demônios.

Quadrilhas: Também trazida pelos portugueses, teve sua origem na França. Fazia parte das festividades da nobreza e eram dançadas nos palácios. No Brasil, inicialmente, também fora empregada pela nobreza. Com o passar do tempo foi incorporada as festas populares, principalmente ao ambiente rural. Seus comandos (palavras chaves para mudanças de passos da dança) ainda guarda a influência das línguas francesas e portuguesas (exemplos: en avant; balancer). Eram dançadas em homenagem aos santos juninos em agradecimento a colheita.


ZELO, uma necessidade na vida cristã

Em meio esta religiosidade revestida de folclore devemos ficar atentos. Tal festa é, inclusive, digna de um feriado no nordeste.
O cristão deve ter zelo em O QUE faz e PORQUE o faz.
Para os cristãos, deve ser fundamento intocável que os santos em nada podem ajudar. Existe apenas um mediador entre Deus e os homens: Jesus (1Tm 8.34). Os santos reverenciados nas festas juninas nada podem fazer pelos homens.

Devemos estar atentos também as comidas e costumes para não sermos co-participantes. Assim o apóstolo Paulo declara: “as coisas que eles sacrificam, é a demônios que as sacrificam e não a Deus; e eu não quero que vos torneis associados aos demônios.” (1Co10.20). Em grego, "associados" é o termo “koinonia”. Paulo nos alerta que ao participarmos de tais oferendas temos comunhão com os demônios.

Na Bíblia na Linguagem de Hoje fica bastante clara a advertência em 1Co 10.23: “Alguns dizem assim: ‘Podemos fazer tudo o que queremos.’ Sim, mas nem tudo é bom. ‘Podemos fazer tudo o que queremos’, mas nem tudo é útil.

Confira nosso artigo sobre o Zelo Cristão: “O Zelo do Tolo o Mata” (clique AQUI)

Para saber mais sobre a influência do catolicismo no Brasil, leia nosso artigo: "Padroeira do Brasil?" (clique AQUI)

[1]Citado por Rinaldi e Capriello, pg 17.
[2]Corina Ruiz, Didática e Folclore, citada por Rinaldi e Capriello, pg 18.


REFERÊNCIAS

RINALDI, Natanael. CAPRIELLO, Luiz Antonio. FESTAS JUNINAS. In Defesa da Fé, nº 45, junho de 2002. Pg
FESTA JUNINA, in http://pt.wikipedia.org/wiki/Festa_junina, acessado em 16/06/2010, às 19:30h.
AS DIVERTIDAS FESTAS JUNINAS, in http://www.aticaeducacional.com.br/htdocs/secoes/festas.aspx?cod=281, acessado em 16/06/2010, às 19:35h.


Celson Coêlho
Diretor Estadual DEBQ-PE
Editor do Blog

(reprodução autorizada desde que mantida a integridade do texto, mencionado o autor: Celson Coêlho e o blog: http://www.ebqrecife.blogspot.com/)

terça-feira, 15 de junho de 2010

SAÍDA PARA LIBERDADE (Revista EBQ 3T2010)


A libertação de um povo, esse é o relato que encontramos no livro de Êxodo. Na verdade, este livro mostra o maior ato redentor divino no Antigo Testamento e como uma família tornou-se uma grande nação.
Seu conteúdo é indispensável para compreensão da história de Israel, consenquentemente, também indispensável para compreender a história da redenção.

Seu nome vem do grego da septuaginta. Êxodo (gr. “ex+odo”: para fora+caminho) literalmente significa caminho para fora. Em hebraico o nome do segundo livro da Bíblia vem dos primeiros termos do livro, “estes são os nomes” (Ex 1.1) ou simplesmente “os nomes”. Esta era a tradição judaica para nomear seus livros.
Seus 40 capítulos focalizam um personagem central: Moisés. Sua mensagem principal é saída do povo de Israel do Egito.

“O SENHOR ia adiante deles, durante o dia, numa coluna de nuvem, para os guiar pelo caminho; durante a noite, numa coluna de fogo, para os alumiar, a fim de que caminhassem de dia e de noite.” (Ex 13.21)

O livro de Êxodo será o tema da próxima revista das Escolas Bíblicas Quadrangulares. Neste 3º trimestre de 2010 iremos aprender sobre o poder divino para libertar seu povo. Com certeza serão 13 lições inesquecíveis.
Estas lições irão balizar nosso caminho de Saída para Liberdade...

Em breve mais informações sobre a nova revista aqui em nosso blog.

Você também poderá acompanhar estudos sobre o livro de Êxodo.

Leia também em nosso blog uma reflexão para nosso tempo sobre o chamado de Moisés (Êxodo 3) - "Verei essa grande maravilha"(clique AQUI)

Celson Coêlho
Editor do Blog
Diretor DEBQ-PE

quinta-feira, 10 de junho de 2010

AGRADECIMENTO...

(09/06/2010)


AGRADEÇO AOS MEUS AMIGOS QUE LEMBRARAM O MEU ANIVERSÁRIO. OS TORPEDOS, EMAIL´s, RECADOS NO “ORKUT” OU LIGAÇÕES. TAMBÉM OS PRESENTES E AS PRESENÇAS NA COMEMORAÇÃO.
QUE DEUS ABENÇOE A TODOS!!!

“O OLHAR DO AMIGO ALEGRA O CORAÇÃO...” (PV 15.30)

Celson Coêlho

domingo, 6 de junho de 2010

FESTA DO VISITANTE NA EBQ RECIFE

CONFIRAM ALGUNS FOTOS DA NOSSA FESTA DO VISITANTE
ÚLTIMO DIA DA 3ª GINCANA BÍBLICA
Escola Bíblica Quadrangular - Sede Recife
06 de junho de 2010


VEJAM TODAS as fotos em nosso ORKUT, clique AQUI.

VEJAM também nossos vídeos no canal do YOUTUB, clique AQUI.

(Meu agradecimento a Patrícia, professora dos adolescentes, pelas fotos)

Celson Coêlho

sábado, 5 de junho de 2010

CAPACITANDO PARA ENSINAR...


Tornar capaz. Esta é a definição presente no dicionário de língua portuguesa para o verbo capacitar. Tornar capaz de executar uma tarefa, não subtende incapacidade. Todos nós temos potencial para realizar grandes coisas. Capacitar também revela aperfeiçoamento desse potencial.

O Departamento de Educação Bíblica Quadrangular do estado do Pernambuco tem procurado envolver os líderes da educação bíblica de nossas igrejas em um despertamento e aperfeiçoamento do exercício do seu ministério. Após realizar, em janeiro, um grande treinamento com os educadores de crianças (para ver clique AQUI), os diretores das EBQ´s também foram contemplados com momentos de aprimoramento.

Em três encontros, o Diretor Estadual do DEBQ ministrou palestras tendo como alvo a atividade de direção das Escolas Bíblicas. Na primeira preleção, com o título “Você Ainda Acredita na Escola Bíblica?”, vimos fundamentos históricos (tanto da igreja como da própria EBD), teológicos, ministeriais e evangelísticos por que ainda investir neste departamento da igreja. Os diretores foram levados a revisarem suas convicções sobre o ensino na igreja e entenderem que fazem parte de uma grande obra iniciada pelo próprio Deus.

No segundo encontro, “As Ações do Diretor da EBQ”, vimos o leque de atividades que podem ser desprendidas e que, certamente, fortalecerão o ensino. Os diretores foram animados a saírem da “mesmice pedagógica” e do “amadorismo gerencial” para desenvolverem, juntamente com sua equipe, ações que dinamizem a EBQ.

Por fim, na preleção “Liderança na EBQ”, foi destacada a importância de o diretor assumir o papel de líder na educação. Liderar significa, basicamente, fornecer um rumo para um grupo. Este rumo tem como alvo a edificação do corpo de Cristo por meio do ensino. Foram compartilhados princípios bíblicos da Liderança de Cristo que auxiliarão um trabalho em equipe.

Com a presença de 17 diretores representando 14 igrejas da região 206 (Grande Recife), tivemos momentos agradáveis que significaram mais um tijolo no fortalecimento de nossas Escolas Bíblicas. No primeiro dia desfrutamos das palavras do Supervisor Estadual, Rev. Sérgio Santos, e da Secretária Estadual de Educação, Pra. Mariana Angélica. Destacaram a importância de nossas EBQ´s, como também de uma contínua capacitação.

Em dois trilhos a locomotiva de nossas EBQ´s precisa trafegar: DIVULGAÇÃO e QUALIFICAÇÃO. Essas são duas ações que a Diretoria Estadual tem procurado investir. As capacitações fazem parte do trabalho de valorização e aprimoramento de homens e mulheres de Deus que NÃO se mostraram negligentes com a visão que receberam.

CAPACITANDO PARA ENSINAR, ENSINANDO PARA TRANSFORMAR!!!