terça-feira, 21 de setembro de 2010

SALMOS 51, uma reflexão

(imagem extraída de http://www.marechaldeodoro.al.gov.br/noticias/index.asp?vCod=118&idioma=pt)

Um salmo poderia ser uma oração ou uma canção. Não semelhante ao que temos hoje. Eram palavras que expressavam o que realmente o seu autor estava vivendo ou pensando.
No Salmo 51 temos a expressão de arrependimento do rei conhecido como “homem segundo o coração de Deus.” Davi cometera grande mal. Adulterou com Bete-Seba e maquinou a morte de seu esposo (para resumir a história de 2Rs 11).
Davi chega diante de Deus como alguém que está necessitado. Vejamos...

(V1) Ele clama pela misericórdia de Deus. Alguns não sabem diferenciar misericórdia da graça divina. Graça é Deus conceder aquilo que não merecemos. Misericórdia é não conceder aquilo que merecemos. O Novo testamento é claro que o salário do pecado é morte. Davi merecia receber o pagamento do seu pecado. Na verdade ele está dizendo: não me dá aquilo que mereço. Tem misericórdia de mim. Assim começa sua conversa com Deus...

(V2-5) Fui eu mesmo! Davi assume seu pecado. Algo tão difícil em nossos dias. Esses versos estão na primeira pessoa: EU! Gostamos de usar o EU no sucesso, na vitória, nas honras... Dificilmente usamos o EU para assumir nossos erros. “Minha iniqüidade”, “meu pecado” (V2); “minhas transgressões” (V3); “pequei”, “fiz o que é mal” (V4). Somos especialistas em “desculpologia”. Inventamos desculpas para tudo. É a herança maldita de Adão. Ele disse para Deus que a culpa de comer do fruto estava na “mulher que me deste” (Gn 3.12) Temos a síndrome da perseguição. Não consegui por que estão contra mim. Fizeram-me errar! Quem abriu os olhos de Davi para esta realidade foi o profeta Natã. Ele chamou a atenção de Davi: “tu és o homem!”. (2Sm12.7) O rei que obteve vitórias em grandes batalhas, que demonstrou coragem nas guerras, começando no confronto com o gigante Golias, agora demonstra semelhante coragem em assumir seu pecado diante de Deus: Pequei! Fui eu!

(V7-12) Confiança no amor de Deus. Davi sabe que Deus pode limpá-lo. Pode curá-lo. Ele expressa dependência ao Deus todo poderoso e revela que não é capaz de, por si próprio, se livrar do pecado. “Purifica-me!” De imediato vem a confiança: “e ficarei limpo!” Conheci um jovem cristão em Manaus que trazia sobre si uma grande culpa por algo que havia cometido. Ele não tinha voltado ao mesmo erro. Havia deixado para trás. Já havia pedido perdão a Deus. Ou seja, demonstrava sinais de real arrependimento. Contudo, todas ás vezes que tínhamos uma oração mais particular, com pessoas íntimas, ele entrava numa sessão de choro sem fim. Sempre declarando que se achava indigno para o serviço cristão. Não desfrutava do perdão de Deus. Estava escravizado! Não confiava no amor e misericórdia divinos. Pessoas assim perdem a alegria da salvação (v12). Não sentem mais liberdade no Corpo de Cristo (espírito voluntário – v12).

(V13-15) “Ensinar” (v13), “exaltar a justiça de Deus” (v14) e “manifestar louvores” (v15) são ações possíveis, de forma íntegra, quando estamos sarados por Deus. Devemos louvar a Deus e abençoar as pessoas através do serviço cristão. Essas atitudes serão verdadeiras quando os nossos corações estiverem “abertos” diante de Deus. Quando reconhecermos nossos pecados e confessarmos a Ele. Quando confiarmos em seu amor e misericórdia.
Enquanto refletia neste texto, ouvia uma canção do “Ministério Diante do Trono” que em determinado momento declara: “as feridas não saradas atrapalham a visão”. Algo assim passava pela cabeça de Davi. Sabia que se continuasse ferido por causa do seu pecado, não teria uma visão correta de Deus e do serviço na obra do Senhor. Se queremos ter nossa visão aberta em relação a Deus e ao serviço cristão, devemos, continuamente, buscar a Deus de forma contrita e verdadeira.

(Reflexão compartilhada na Manhã de Oração no domingo, dia 01/08/10, antes da EBQ na IEQ Sede Recife)


Celson Coêlho
Diretor DEBQ-PE
Editor do Blog

2 comentários:

edsonBAHIA disse...

concedendo aquilo que merecemos ou não, o que nos tras segurança para continuarmos a caminhada é a smisericordia de Deus. e sei que ele sempre vai fazer o que lhe apraz, e isto é um consolo para os momentos de crises. gostei do artigo. fica na paz!! pastor, edson bahia, belo jardim PE

EBQRECIFE disse...

Olá Pr. Edson Bahia!
PAZ!
Temos que ter esta segurança em Deus, Hebreus (6.19) diz que ela é "âncora da alma", não deixa nossa alma "naufragar" mesmo em "momentos de crises".
Obrigado por sua visita e participação. Também temos acompanhado seu blog (www.edsonbahia.blogspot.com) e o da IEQ em Belo Jardim (www.quadrangularbj.blogspot.com).
Que Deus abençoe sua vida, família e ministério!
Contamos com suas orações.

Celson Coêlho

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante.
Porém, comentários ANÔNIMOS não serão publicados.
Celson Coêlho