sábado, 6 de novembro de 2010

EVANGELHO QUADRANGULAR, uma perspectiva da educação cristã

Por Celson Coêlho*
(OBS: texto publicado em 2008. Os links foram atualizados)

Lembro-me que alguns anos atrás meu antigo pastor em Manaus falava que nossos professores pregavam quando deveriam dar aula. Essa constatação o preocupava. Era a visão de um homem de Deus com mais de 15 anos de experiência docente, tanto na Escola Bíblica como no ITQ (atual diretor do ITQ-AM). Um corolário de seu pensamento pode ser: Temos bons pregadores, mas não bons professores. Não sei se a observação era válida apenas ao âmbito local da IEQ no Amazonas. Não posso aceitá-la passivamente como conclusiva. Também não devo ignorá-la...
O espaço nesse texto pretende refletir a Educação Cristã na IEQ. Fornecer uma perspectiva do ensino.


I – DEFININDO CONCEITOS

Por que Educação Cristã e não Educação Bíblica? Optamos pelo termo Educação Cristã, pois traz uma compreensão mais abrangente da educação na igreja. A Educação na igreja pode ser Teológica, Ministerial ou Bíblica (referente à educação na igreja local).

Educação Ministerial – Aqui compreendemos a educação ou o departamento da igreja que visa à preparação para o ministério. Boa parte das denominações evangélicas tem seu instituto ou seminário (algumas chamam de escola de líderes ou termo similar). Tem uma metodologia mais voltada para a prática ministerial. Seus professores são pastores.

Educação Teológica – Compreendemos a educação superior confessional. Nem todas as denominações dispõem de curso superior teológico. Alguns cursos são oferecidos por instituições para-eclesiásticas ou até mesmo não confessionais[1]. Entendemos que na Educação Teológica também temos formação ministerial, porém a formação teológica é mais abrangente. A preparação profissional é seu alvo maior. Sua metodologia é mais voltada para a pesquisa (científica). Seus professores devem ter formação superior e pós-graduação.

Educação Bíblica – Neste conceito encontramos, principalmente, a bicentenária e eficaz Escola Bíblica. Enquanto os outros dois níveis de educação o alvo é o cristão adulto[2] , aqui alcançamos todas as faixas etárias. Sua metodologia visa alcançar a prática cristã, fornecendo bases bíblicas para as ações do dia-a-dia. Seus professores são líderes da igreja local.

Essa divisão tem função didática para facilitar o desenrolar do texto. Na verdade, elas podem e devem se relacionar. Assim a Educação Bíblica também é teológica e ministerial (vice-versa).
“A Secretaria Geral de Educação e Cultura [SGEC] é o órgão destinado a desenvolver a ação educativa na Igreja [IEQ]...” Tem como secretário o Pastor Almir de Paula. Nos estados, temos as Secretarias Estaduais de Educação e Cultura (SEEC). [informação atual]

II – EDUCAÇÃO BÍBLICA

Consideramos que a Educação Bíblica é mais abrangente que aulas ou até mesmo que a própria Escola Bíblica. Assim, temos educação bíblica na pregação, numa peça teatral, numa música, etc. Para delimitar nosso texto e visando os educadores que visitam NOSSO BLOG, trataremos exclusivamente de Escola Bíblica.
Na IEQ, a Escola Bíblica desembarcou no Brasil junto com Harold Willian. Desde cedo entendeu-se a importância de crentes alicerçados na Bíblia. A responsável por sua implantação e desenvolvimento inicial foi a missionária Lucille Marie Jonhson. Até 1974 a EBD esteve sob sua orientação. Em 1963 foi criada a coordenação nacional. A partir de 2000 a EBD ficou sob tutela da SGEC.
Nesses 58 anos de historia da Escola Bíblica vemos o alicerce bíblico fornecido aos nossos membros. Compreendemos que a Escola Bíblia é primordial para o crescimento da igreja. A Escola tem capacidade evangelística e discipuladora. O novo convertido tem necessidade de questionar sua nova fé, a classe é o espaço apropriado para isso. O amadurecimento espiritual de crentes também é fornecido através das aulas dominicais. A interação permite o educando trazer inquietações do dia-a-dia e lhe fornece princípios bíblicos. (VEJA: Razões Por que Ainda Acredito na Escola Bíblica, clique AQUI)

III – EDUCAÇÃO MINISTERIAL

Com alvo a formação ministerial, temos na IEQ o Instituto Teológico Quadrangular (ITQ), a Missão Quadrangular Cristo Para as Crianças (MQCC) e o Centro de Treinamento Missionário Quadrangular (CTMQ).
O Instituto teve seu início no Brasil em 1957. Com o decorrer dos anos foi reformulado e adaptado a situação de nossa igreja. Anteriormente chamado Instituto Bíblico Quadrangular, hoje o ITQ dispõe de dois cursos: o Fundamental em teologia (12 disciplinas) e o Médio em teologia (35 disciplinas). (Detalhes clique AQUI e AQUI ).
A MQCC tem com alvo fornecer formação pastoral para educadores no ministério infantil. Foi fundado em 1985 em Curitiba. Seu currículo tem como base o primeiro ano do ITQ, acrescido disciplinas voltadas para o ministério infantil. (Detalhes clique AQUI ou AQUI).
O CTMQ-PR foi fundado em 1998, visa primariamente à formação missionária. Dispõe dos cursos Fundamental em Teologia e Missões Urbanas e Transculturais. É o órgão oficial da IEQ para formação missionária. (Detalhes clique AQUI).
Os cursos desses três departamentos fornecem a condição básica para ingresso no ministério, ou seja, para entrar no ministério Quadrangular precisa ter concluído um desses cursos.
A formação ministerial tem alcançado seu objetivo: fornecer a preparação inicial para os futuros obreiros. Os ITQs estão em todos estados brasileiros, são aproximadamente 250 em todo Brasil. A MQCC não desfruta do mesmo alcance. Seu objetivo é excelente, o ideal é que em cada ITQ funcionasse uma MQCC, ao menos em cada cidade houvesse uma MQCC. Dispomos de um dos melhores centros de formação de missionários, quem dera funcionasse um em cada região geográfica do País e que seus recém formados missionários pudessem atuar nessas regiões.

IV – EDUCAÇÃO TEOLÓGICA

A partir de 1999 os Cursos de Teologia alcançaram o reconhecimento do Ministério de Educação em nosso país. Anteriormente, apesar dos evangélicos disporem de boas faculdades teológicas, não contavam com a aceitação da academia brasileira. O parecer CNE/CES 241/99 trouxe novos ares ao conhecimento teológico tupiniquim. (Ver Conselho Federal de Teologos, clique AQUI)
A IEQ, num trabalho muito louvável da SGEC, também abriu as portas para esse novo momento da teologia brasileira. Em convênio com UNIASSELVI deu-se início a Faculdade Teológica Quadrangular (FATEQ) a partir de agosto 2007. Sua modalidade é semi-supervisionada, com um encontro semanal.
A formação teológica abre algumas portas para atuação do formado: Ensino em escolas ou Faculdades; atuação em ONGs ou instituições para-eclesiásticas; atuar como pesquisador; capelão nas Forças Armadas, hospitais, etc; realização de concursos públicos e ministério pastoral.

ATENÇÃO: Existe na Internet uma faculdade dita como Faculdade Quadrangular. Não é a FATEQ e, tudo indica, não tem vínculo com a SGEC. (Clique AQUI)

PESQUISE AQUI OS CURSOS SUPERIORES AUTORIZADOS E/OU RECONHECIDOS PELO MEC, TANTO TEOLÓGICO COMO OUTROS (CLIQUE AQUI)

V – DESAFIO...

Não pretendo esgotar o assunto com essa postagem. Tentei “abrir portas” para a interação.
Muitos educadores da IEQ, como de outras igrejas também, podem colaborar com essa interação.
O desafio que lanço é que você que visita NOSSO BLOG compartilhe comentários que possam enriquecer o tema.


[1] A educação teológica, como qualquer curso superior, está disponível para qualquer confissão religiosa ou instituição não religiosa. Assim temos instituições católicas, umbandistas (para ver clique AQUI), universidades públicas (Universidade Federal do Piauí, clique AQUI), etc.
[2] Em algumas denominações a Educação Ministerial não é apenas para cristãos adultos, essa formação também é restrita ao sexo masculino.

*Celson Coêlho
Diretor Estadual DEBQ-PE
Editor do Blog
(Bacharel em Teologia, pós-graduado em História da Religião, trabalha há 11 anos com EBQ e há 5 com ITQ. Formado pelo ITQ-AM em 2005)

(reprodução autorizada desde que mantida a integridade do texto, mencionado o autor: Celson Coêlho e o blog: www.ebqrecife.blogspot.com)

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante.
Porém, comentários ANÔNIMOS não serão publicados.
Celson Coêlho