quarta-feira, 3 de agosto de 2011

DUAS DESPEDIDAS E UMA REFLEXÃO


Os últimos dias de julho registraram duas despedidas de ingleses conhecidos. Refiro-me aos falecimentos de Amy Winehouse e de John R. W. Stott.

No dia 23 de julho, com toda badalação “prazerosa” da mídia, faleceu Amy Winehouse, aos 27 anos. Muito se falou sobre ela: um mito; ícone dos jovens; estrela pop... muitos adjetivos necessários para evidenciar a notícia.

Em sua vida hedonista, Amy se entregou a bebida e as drogas. Em várias apresentações revelava total descontrole e desrespeito ao público.

Morte precoce, talvez vítima de seu estilo de vida...

Quatro dias após a morte de Amy, em 27 de julho, outro inglês, não tão famoso, morre aos 90 anos, por causas naturais. Não se falou na mídia, mas John Stott foi pastor, escritor e ilustre teólogo. Assim ele é descrito: “um dos gigantes da fé cristã contemporânea, que ajudou a construir a Igreja Evangélica ao longo do século 20.” (Cristianismo Hoje)

Stott escreveu cerca de 40 livros (tenho 3 em minha biblioteca). “Cristianismo Básico”, tido como um dos mais importantes, vendeu 2 milhões de cópias e foi traduzido para 60 línguas. Foi capelão da coroa britânica por 30 anos. “Protagonista do movimento conhecido como Evangelho integral, ele organizou, na companhia do evangelista Billy Graham e outras lideranças, o Congresso Internacional de Evangelização, em Lausanne (Suíça), em 1974. O evento entrou para a história da Igreja Cristã por lançar as bases de uma abordagem da fé inteiramente contextualizada à sociedade, sem, contudo, abrir mão dos princípios basilares do Evangelho, consubstanciada no Pacto de Lausanne.” (Cristianismo Hoje) [grifo meu]

Apesar de certo prestígio e reconhecimento no meio evangélico, Stott, que decidiu não casar para dedicar-se ao Evangelho, vivia uma vida simples. Admirador de pássaros, aproveitava seus momentos de lazer nos bosques do Reino Unido. Sempre com binóculos, máquina fotográfica e caderno de anotações a mãos.

Estilos de vidas contrastantes. Finais opostos.

Cada um deles deixa um legado.

Qual será mais lembrado pela sociedade? Qual tem mais influencia sobre nossas vidas? Na verdade acredito que muitos cristãos nunca ouviram falar de John Stott. Enquanto Amy Winehouse...

 "O conhecimento é indispensável para a vida e para o serviço cristãos. Se não usamos a mente que Deus nos deu, nós nos condenamos à superficialidade espiritual e nos privamos de muitas das riquezas da graça de Deus". (John Stott)

Celson Coêlho
Editor do Blog

Mais textos:
Amy Winehouse e Lula (Por Augustus Nicodemos Lopes, pastor presbiteriano)
Faleceu um entre os santos: John R. W. Stott (por Mauro Meister, pastor presbiteriano)
Morreu Amy Winehouse (por Isaltino Gomes, pastor batista)
Livro como um pássaro (sobre Stott, por Esdras Bentho, pastor assembleiano)
Amy Winehouse (no Wikipedia)

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante.
Porém, comentários ANÔNIMOS não serão publicados.
Celson Coêlho