sexta-feira, 10 de agosto de 2012

POR QUE ANANIAS E SAFIRA?


Lendo sobre a origem da igreja cristã no livro de Atos vemos as grandezas que Deus realizava em meio ao seu povo. Milagres, curas, prodígios e crescimento sem igual (em qualidade e quantidade).

Porém, as confirmações do Senhor da Glória agindo em meio ao seu povo é abruptamente interrompida por um relato assustador. Um casal morre repentinamente diante dos olhos de alguns discípulos. Refiro-me a Atos 5.1-11, relatando sobre Ananias e Safira.

Questionamentos surgem dessa leitura: eles realmente morreram? Porque dessa forma repentina? Qual ensinamento devemos tirar desse relato?

Sugiro algumas ponderações para jogar luz em nosso entendimento:

FATOS:

• Quando se diz que, tanto Ananias quanto Safira, “expirou” (At 5.5,10), realmente eles morreram. Uma simples leitura dos versos subsequentes revela isso. É dito que eles morreram e foram sepultados (At 5.6,10).

• Existe outro relato de morte igual a esse? No Novo Testamento não. Assemelhasse a morte de Herodes relatada em At 12.23. Inclusive usando-se o mesmo termo “expirou”. Contudo, a morte do rei não expressa em seu relato o mesmo imediatismo da morte de Ananias e Safira. Sobre o casal é dito que “caiu e expirou”; imediato. Com o detalhe textual: “no mesmo instante” (At 5.10) referindo-se a esposa. Herodes foi ferido pelo anjo, comido de bicho e expirou. Não deixando claro no registro bíblico que sua morte foi imediata. Houve o imediatismo para o ferimento do anjo (At 10.23). Um relato histórico de Josefo diz que o rei morreu após 5 dias de sofrimento. Mas, acreditamos que sua morte não foi imediata, pois o texto bíblico nada diz.

ENSINAMENTOS:

• O contexto anterior sobre as doações na comunidade cristã e a oferta de Barnabé (At 4.32-37) mostra-nos o contraste. Um relato positivo e outro negativo. No relato positivo sobre doação compreendemos que era algo voluntário, de forma nenhuma compulsória; não obrigada.

• A pregação da palavra com poder traz junto consigo uma verdadeira comunhão, assim como em At 2.42-47. Ou seja, o verdadeiro agir do Espírito Santo por meio da palavra gerava verdadeira comunhão. A comunhão de dividir os bens originava-se no Espírito Santo.

• Ananias e Safira erraram “em acordo” (At 5.2) pois mentiram ao Espírito Santo por dois motivos: 1) Tentaram esconder algo que não foram obrigados a doarem; e 2) tentaram mostrar para a comunidade que sua doação também fora originada pelo Espírito. (hipocrisia)

Juízo divino: o relato evidencia que nossos atos são julgados por Deus. Se não nos arrependermos de nossos erros, morreremos espiritualmente. No caso de Ananias e Safira era necessário ocorrer de forma tão assustadora para servir de exemplo para igreja iniciante. Veja o que diz o verso 11, findando o relato sobre o casal: “E sobreveio grande temor a toda a igreja e a todos quantos ouviram a notícia destes acontecimentos.” (ler também 5.5) Os fundamentos da igreja cristã estavam sendo postos. Esses alicerces não poderiam ser corrompidos pela hipocrisia. O caráter santificador do poder divino não poderia ser comprometido pelo caráter hipócrita do homem pecador.

Que Deus nos abençoe e que seu Espírito Santo nos oriente para que em nosso servir ao Senhor e em nossa adoração não sejamos levados a lhe oferecer ações falsificadas pela nossa corrupção do pecado.

Celson Coêlho
Editor do Blog