sábado, 29 de dezembro de 2012

A MORTE DE JESUS: PORQUE TRÊS DIAS E ONDE ELE ESTEVE?

 1) Existe alguma representação especial para Jesus ter ressuscitado justamente ao terceiro dia?
2) O que aconteceu de fato no período entre a morte e a ressurreição de Cristo? O que ele fez? Por onde andou?

As perguntas acima foram dúvidas enviadas por um irmão. Tento esclarecê-las no texto abaixo. Boa leitura:

Por que 3 dias? Ou por que no terceiro dia?
Tem algumas passagens nos evangelhos que o próprio Jesus trata de sua morte e ressurreição. São elas:
Mateus 12.40; Marcos 8.31; e Lucas 9.22 – Falando de forma direta; e
Mateus 26.61; 27.40; Marcos 14.58; 15.29; e João 2.19-22 – Falando por analogia sobre a destruição do Templo de Jerusalém e sua reconstrução em três dias.
A mais significativa para nosso entendimento é a passagem de Mt 12.40. Antes de analisá-la, ressalto a importância do texto de João, principalmente no verso 22:
“Quando, pois, Jesus ressuscitou dentre os mortos, lembraram-se os seus discípulos de que ele dissera isto [que morreria e ressuscitaria]; e creram na Escritura e na palavra de Jesus.” (acréscimo entre colchetes é meu)
Sua declaração de morte e ressurreição ao terceiro dia foi uma profecia. Ele predisse e se cumpriu. Seu cumprimento serviu para solidificar a fé dos discípulos e a nossa também. (veja João 12.16)

VAMOS AO TEXTO de Mateus 12.38-42:
O que se destaca nessa passagem é o pedido de um SINAL (v. 38). Os judeus presenciaram muitos sinais, como a cura do endemoninhado, cego e mudo (Mt 12.22). Contudo, exigiam um sinal como credencial. Como se fosse um sinal “autorizador” para credenciar o que Cristo realizava.
Falando sobre o sinal que eles veriam, Jesus compara sua morte e ressurreição com a “quase” morte e ressurreição de Jonas no ventre o peixe. Lucas declara: “Assim como Jonas foi sinal para os ninivitas, o Filho do homem o será para está geração.” (Lc 11.30)
Qual foi o sinal de Jonas? Jonas foi o sinal do verdadeiro amor de Deus por um povo pecador e alienado de Sua vontade. A “quase” morte e ressurreição de Jonas do ventre de um peixe e sua posterior pregação levaram os ninivitas ao arrependimento.
O sinal da morte e ressurreição de Jesus deveria levar muitos outros ao arrependimento pois Ele é maior que Jonas (Mt 12.41).
Então, a morte e ressurreição de Cristo após três dias foram prefiguradas por Jonas. E tem como objetivo (sinal) levar ao arrependimento.
Paulo afirma que Cristo “foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (1Co 14.4). Havia uma compreensão na igreja primitiva que o Messias ressuscitaria ao terceiro dia. Possivelmente a partir de passagens como Salmos 16.8-10; Isaias 53.10-12 e Oséias 6.2.

Onde Jesus esteve após sua morte?
A passagem de Mateus analisada acima traz o termo “coração da terra” (12.40). Não existe muito esclarecimento quanto ao que seria o “coração da terra”, a não ser sua idéia básica de centro da terra. Uma expressão semelhante encontra-se em Lucas 16.22, 23: “seio de Abraão”.
Existe um ensinamento que após a morte Jesus foi ao inferno. Acredito ser pouco provável esse entendimento. Primeiro por pouca (ou nenhuma) evidência bíblica. Segundo por falta de objetivo de uma ida ao inferno.
Os textos bíblicos que tentam fundamentar a ida ao inferno são basicamente Efésios 4.9,10 e 1ª Pedro 3.18,19. As duas passagens são de difícil entendimento. Por isso muitas interpretações são sugeridas. Vejamos o significado a partir do seu contexto e o respaldo em outros textos NÃO difíceis da Bíblia:
EFÉSIOS 4.9,10
“Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia descido até às regiões inferiores da terra?”
“Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.”

O que significa “regiões inferiores da terra”?
As regiões mais baixas da terra é um contraponto a “acima de todos os céus”. Aqui temos uma comparação de extremos. “Acima de todos os céus” refere-se à situação de Cristo glorificado. “Regiões inferiores da terra” refere-se a Ele como homem, humilhado quando deixou sua glória.
Leia João 3.13 e Filipenses 2.7-9. Principalmente Filipenses esclarece a humilhação de Jesus, sendo Deus, tornar-se homem e sua posterior glorificação.
Logo, “regiões inferiores da terra” significa seu estado humilhação quando se tornou homem e não usurpou ser igual a Deus.

1ª PEDRO 3.18,19
“Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim na carne, mas vivificado no espírito”
“No qual também foi e pregou aos espíritos em prisão.”

O que significa “espíritos em prisão”?
Temos duas opções: ou se refere a pessoas ou, literalmente, a seres espirituais. No contexto desses versos não encontramos referência alguma a seres espirituais. Em contrapartida, logo no verso 20, encontramos referência a pessoas que foram desobedientes nos dias de Noé. Torna-se plausível a conclusão de referir-se a pessoas quando juntamos o final do verso 19 com o início do verso 20: “... e pregou aos espíritos em prisão, os quais, noutro tempo, foram desobedientes quando a longanimidade de Deus aguardava nos dias de Noé...” Os que são desobedientes a Deus encontram-se aprisionados. São espíritos em prisão.
Então qual a ligação de Cristo com as pessoas da época de Noé? Cristo foi pregado, de forma prefigurada, por Noé. (ou Cristo pregou através do ministério de Noé)
No verso 18 temos: “morto na carne” e “vivificado no espírito.” A primeira frase refere-se a Cristo limitado na carne, ou seja, sua vida terrena, inclusive a morte. A segunda refere-se ao seu estado não limitado, ou seja, sua natureza divina antes da encarnação. Foi nessa segunda situação que ele pregou nos tempos de Noé.
Essa interpretação, que é aceita pela maioria dos comentaristas, além de ser compatível com outros ensinamentos da Bíblia, afasta o entendimento de se ter pregado para pessoas que já haviam sido condenadas e seus espíritos estavam em tormento (prisão). Essa seria uma possibilidade de salvação após a morte, o que se configura uma completa heresia.
Conforme os dois textos acima, acredito que Jesus não tenha comparecido ao inferno entre sua morte e ressurreição. Então para onde Ele foi?
O mais viável é que entre a morte e a ressurreição, Jesus esteve ao lado do Pai. Entendemos isso a partir de Lucas 23.43,46:
“Jesus lhe respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.”
“Então, Jesus clamou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!”

Entre sua morte e ressurreição Jesus esteve em intimidade com Deus. Assim é meu entendimento.

Celson Coêlho
Editor do Blog

Acessos:
Desceu Cristo ao inferno? Por Mário de Jesus Arruda in http://www.iprb.org.br/artigos/textos/art01_50/art39.htm (em 28/12/2012)
Descendit ad inferna”: uma análise da expressão “desceu ao hades” no cristianismo histórico por Heber Carlos de Campos in  http://www.thirdmill.org/files/portuguese/13874~9_19_01_10-42-34_AM~heber1.htm (em 28/12/2012)

6 comentários:

Jose gonçalves disse...

Creio que Jesus não esteve com Deus antes do terceiro dia ,pois em João-20.17 o próprio Jesus disse para Maria que ELE ainda não havia subido ao Pai

Jose gonçalves disse...

Creio que Jesus não esteve com Deus antes do terceiro dia ,pois em João-20.17 o próprio Jesus disse para Maria que ELE ainda não havia subido ao Pai

Celson Coêlho disse...

Olá José Gonçalves, PAZ!
Agradeço sua visita e comentário. Sua participação é relevante, pois faz uma válida comparação. Você recorreu a outro texto bíblico para tentar entender o assunto. Quando seguimos essa linha temos muito a aprender.

Contudo, faço algumas considerações sobre seu questionamento.
1) Você já viu outras versões bíblicas desse texto? Eis duas versões:
“... Não me detenhas, pois ainda não voltei ao Pai. Mas vai ter com meus irmãos, e dize-lhes: eu volto para meu Pai...”(Edição Contemporânea de Almeida, 1990)
“... Não me segure, pois ainda não voltei para o Pai... Estou voltando para meu Pai...” (Nova Versão Internacional, 1993)
2) O termo grego “anabaino” significa literalmente subir. Em outras passagens de João (1.51; 3.13; e 6.62) temos a tradução “subir”. O verbo expressa a subida de alguém que já estava lá. “Subir” NÃO EXCLUI a possibilidade de ter estado lá.

O Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento (BROWN, Colin. Edições Vida Nova. 1981) nos esclarece o uso do termo grego:
“O verbo anabaino se emprega num sentido puramente técnico, especialmente da “subida” ao monte do templo, ao santuário, e também da exaltação e ascensão de Jesus.” (pg 418 – sublinhado meu)
“João emprega anaibano como expressão fixa para “ascensão” do Filho do homem.” (pg 419 – sublinhado meu)

Então em João 20.17 temos uma referência a “ascensão” de Jesus glorificado. A ascensão foi predita em João 14.2,12; 16.5,10,17,28. Foi registrada em Lucas 24.50-53 e Atos 1.6-11.
A ascensão de Jesus dá início a uma nova fase do seu ministério: o de intercessão pela igreja (Rm 8.34; Hb 7.25).
Continuo com a conclusão: entre a morte e ressurreição Jesus esteve na presença de Deus.

Conto com suas orações.
Que Deus te abençoe.

Eduardo Vidal disse...

Bom, a questão é especulativa,somente Jesus sabe realmente o que ele passou.
Mas acredito que ele foi recebido no plano espiritual ( apesar que em toda a sua vida não a deixou) pela equipe de "Anjos" ou Espíritos que estavam com Ele. Visto que dois anjos estavam na sua sepultura quando Maria D'magdala chegou.
Em relação aos três dias ou o seu ressurgimento no terceiro dia pós morte. Pode ser uma referencia da sua segunda vinda, pois até seus discípulos não estavam
muito confiante da sua ressurreição, mas ela aconteceu e eles foram testemunhas
oculares da promessa de Jesus Cristo. Como Pedro em sua inspiração disse que
para Deus 1000 anos é como um dia que passou, talvez Jesus apareça novamente
ressurreto agora no Terceiro milênio onde novamente MUITOS irão cair por terra e
se lamentar por não terem dado atenção as suas palavras e ensinamentos.
VIVA JESUS !!!!!!!


Celson Coêlho disse...

Olá Eduardo Vidal, PAZ!
Obrigado por sua visita e participação.
Você fala em especulação. Não diria bem isso. A partir do momento que procuramos dados bíblicos e tentamos entender a questão a partir de sua harmonia não estamos especulando.

Se também considerarmos a questão apenas a partir do prisma “só Jesus sabe” limitamos a possibilidade de entendermos as verdades bíblicas e de afastarmos entendimentos equivocados sobre o tema.

Que possamos crescer na graça e no conhecimento de Cristo.

Conto com suas orações!

Pastor Marcelo Cordeiro disse...

e porque ele disse: a maria nao me toques pois ainda nao fui até meu pai???

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante.
Porém, comentários ANÔNIMOS não serão publicados.
Celson Coêlho