quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

PROPOSTA HOMOFÓBICA


Reportagem do NETV, Jornal local da Rede Globo, edição noturna de 16/01/2013, tenta evidenciar o crescimento de crimes homofóbicos. Boa parte da reportagem tomou como base a estatística de ONG´s que tem interesse no assunto. Diz o apresentador: “... aumento de crimes com características homofóbicas...”. Na reportagem, assevera outro repórter: “... uma realidade inaceitável: os crimes motivados pelo preconceito contra gays, lésbicas, transexuais e travestis...
Na mesma reportagem, ao final, com MENOS evidência, veja o que diz o delegado com a estatística da Secretaria de Defesa Social do estado: “... 81% dos casos têm a motivação delineada [quase definida]. Nenhum desses casos há conotação homofóbica... Nós temos como motivação principal o crime passional e a segunda motivação o latrocínio.” (Entre colchetes meu)
Se todos aceitarem o Brasil como um país homofóbico, fica fácil aprovar leis que podem favorecer minorias em detrimento de valores da democracia, tais como liberdade de expressão.
Não devemos aceitar qualquer tipo de violência. Deve-se agir com rigor contra expressões de violência contra a vida. Inclusive o preconceito em relação à cor, raça, posição social ou opção sexual.
Contudo, devemos entender os interesses obscuros que tentam nos vender.
Veja a reportagem no link abaixo.

sábado, 12 de janeiro de 2013

NOVAS REVISTAS DA ESCOLA BÍBLICA QUADRANGULAR PARA O 1º TRIMESTRE DE 2013


ROMANOS: O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ
(Revista de Jovens e Adultos)

"Na antiguidade, uma carta era muito importante, era estruturada de tal forma que oferecia orientação, confrontação e conselhos para os leitores; as cartas bíblicas não fogem à regra, os conteúdos são brilhantes, os ensinamentos são claros e a mensagem principal tem a ver com o reino de Deus.

Pensando no livro de romanos, o apóstolo Paulo trabalha e desenvolve 4 eixos:
1) Seu testemunho de vida.
2) O início do evangelho com o povo Hebreu.
3) A libertação do poder do pecado.
4) O cotidiano da vida da igreja.

No desenvolvimento das lições seguiremos essas trilhas; estou certo de que essa revista será de grande valia para os estudantes nas diversas igrejas do Brasil.
Nos estudos a seguir, nos encontraremos com a mensagem do evangelho, mensagem transformadora, nos depararemos com Jesus e seus princípios, enfrentaremos o pecado e obteremos a vitória pela força do Espírito Santo e, por fim, veremos a importância de nos submetermos às autoridades e o companheirismo no ministério cristão.
Estude, pesquise, aprenda no ambiente da maior escola do mundo, a escola bíblica.
O meu desejo é que esses ensinamentos repercutam na sua vida em todos os sentidos.

Prof. Cícero Bezerra"


ESCOLHAS, ATITUDES E CONSEQUÊNCIAS
(Revista de Juniores)

"Neste trimestre vamos refletir sobre escolhas e atitudes dos servos de DEUS no período dos Reis de Judá e Israel; uns escolheram ser fiéis, outros tropeçaram na escolha e fizeram o que era mau aos olhos de DEUS.

Trazemos uma novidade neste novo ano, as lições vêm acompanhadas de um atrativo de estímulo à leitura das Sagradas Escrituras: a Leitura Bíblica Semanal. É nosso alvo que ao final do estudo da revista o aluno:
• busque a DEUS em oração para fazer suas escolhas;
• perceba que todas as escolhas têm consequências;
• escolha a santificação SEMPRE;
• invista tempo em ler a BÍBLIA"

Informações extraídas dos site da Secretaria de Geral de Educação e Cultura. Para informações sobre as revistas das outras faixas etárias e para aquisição acessar o site: www.sgec.org.br.

Celson Coêlho
Editor do Blog

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

INSTITUTO TEOLÓGICO QUADRANGULAR, 56 ANOS NA FORMAÇÃO DE OBREIROS – Uma reflexão bíblica


Nesse dia 07 de janeiro, o Instituo Teológico Quadrangular (ITQ) completa 56 anos de sua fundação no Brasil. Sua origem se deu em São Paulo, junto com o início da Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ). Seu fundador foi Harold Willians, que percebeu a necessidade de investir na formação dos obreiros que o auxiliavam na igreja. (Veja mais sobre a história da fundação clicando AQUI)
Tendo em vista que o objetivo do ITQ é a formação de obreiros e aproveitando essa data importante, proponho nesse texto uma reflexão bíblica sobre a formação de obreiros. O lema do ITQ é: “Procura apresentar-te a Deus aprovado.” Ele é extraído do texto de 2ª Timóteo 2.15:
“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.”
Esse versículo será a base da nossa reflexão.

1 – Apresentar-se a Deus Aprovado
Quando leio a frase “apresentar-se a Deus” me vem à memória o ofício sacerdotal do Antigo Testamento.[1] Lembro sua preparação e atenção para apresentar-se na presença do Senhor de forma condizente.
Nós que fazemos parte da Nova Aliança através do sangue de Cristo, temos maior responsabilidade que os sacerdotes do Antigo Testamento. Estamos constantemente na presença de Deus. Não apenas em alguns rituais religiosos.
Isso nos faz lembrar a responsabilidade ministerial diante de Deus. Essa responsabilidade é maior que a atividade ministerial propriamente dita. Exemplifico: a responsabilidade de um pregador não se resume apenas no momento da entrega de uma mensagem. É abrangente. Tem o antes, o durante e o após. Assim temos a preparação, a consagração, o acompanhamento posterior aos seus ouvintes, etc. Necessário se faz uma constante busca por intimidade com Deus e aperfeiçoamento ministerial.
No contexto de orientação ao obreiro Timóteo, Paulo sugere três figuras que aprofundam o “apresentar-se a Deus” na vida do obreiro. Vejamos:
a) Bom Soldado (2Tm 2.3) – Aquele que foi alistado na Obra sabe que está em constante batalha. Esta traz dificuldades que geram sofrimento. Contudo, o obreiro, como o bom soldado, tem como “seu objetivo satisfazer àquele que o arregimentou” (2Tm 2.4). Os maus soldados desviam-se da verdade, a exemplo de Himineu e Fileto (2Tm  2.17,18);
b) Atleta Coroado (2Tm 2.5) – Ser coroado na Obra do Senhor apenas é possível se lutarmos em conformidade com as normas. “Isto implica em ambos, o treinamento para competição e as regras que governam as mesmas.”[2] Aqui acentuasse a disciplina pessoal na vida do obreiro. Em outro momento Paulo revelou sua vida disciplinada ao se comparar com um atleta que se domina para alcançar uma coroa incorruptível (1Co 9.15). Dedicação é a palavra de ordem;
c) Lavrador que Trabalha (2Tm 2.6) – O trabalhador se regozija em ver o fruto do seu trabalho e receberá sua parte na colheita. Em 1ª Corintios, no capítulo 9, Paulo salienta que isso se fundamenta na lei do Senhor (1Co 9.9). O lavrador deve estar cheio de esperança, confiante de “receber a parte que lhe é devida” (1Co 9.10). Temos aqui a referência ao sustento do obreiro em todas as áreas.
Esse obreiro que se apresenta ao Senhor da Obra não deve esquecer a natureza desse Senhor: “Ele permanece fiel, pois de maneira nenhum pode negar-se a si mesmo” (2Tm 2.13).

2 – Não Tem do Que se Envergonhar
O termo “envergonhar” aparece por mais 3 vezes na epístola de 2ª Timóteo. Ocorrem no capítulo 1 da epístola (versos 8, 12 e 16). Seu contexto refere-se a envergonhar-se do Senhor ou de seu servo, Paulo, por estar na prisão. Seu ensino é a fidelidade perseverante do obreiro ao Senhor e ao seu evangelho independente das adversidades.
Paulo faz esse encorajamento, pois ele mesmo reconhecia: “não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” (Rm 1.16).
Envergonhar-se é encher-se de vergonha. Aqui não esta se falando da timidez às vezes natural. Relaciona-se ao ato de desonra ou de inconformidade com o padrão aceitável.
Jesus também tratou desse assunto. Disse que aquele que se envergonhar dEle ou das suas palavras, será digno da vergonha do “Filho do Homem, quando vier na sua glória...” (Lc 9.26) Em outras palavras: aquele que se achar desonrado ao ser identificado com Jesus e suas com suas palavras, o Senhor também se sentirá desonrado quando voltar para julgar o mundo. A pessoa será digna de condenação.
Não ter do que se envergonhar significa honrar a causa do Mestre. Mesmo quando as situações não forem favoráveis.

3 – Maneja Bem a Palavra da Verdade
O manejar a Palavra da Verdade na vida do obreiro tem dois sentidos: o interior e o exterior.
O sentido interior relaciona-se com o resultado que essa palavra gera em sua própria vida. Esse é o mais importante. Se o obreiro não tiver intimidade com Deus através de sua palavra ele será um mero profissional da Bíblia; vai a Bíblia apenas para preparar uma pregação ou um estudo. Esquece de Salmos 1.2: “seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.” Foge de Hebreus 4.12: “a palavra de Deus é viva e eficaz... apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração.” Não vive João 15.3: “Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado.” Uma vida assim é uma vida destinada ao insucesso espiritual.
O sentido exterior nos faz lembrar que a palavra é o conteúdo a ser ministrado as pessoas. Ela é suficiente para transformar o ser humano. Analisando esse texto, em relação ao uso da Bíblia pelo obreiro, Calvino comenta: “Há quem a mutile, há quem a desmembre, há quem a distorce, há quem a quebre em mil pedaços, e há quem, como já observei, se mantém na superfície, jamais penetrando o âmago da doutrina.”[3]
Ainda em sua orientação ao obreiro Timóteo, Paulo destacou o real valor da Palavra:
“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.”(2Tm 3.16,17)
Ter um departamento dedicado a formação de obreiros é fundamental para igreja. Que esse MINISTÉRIO continue firme e guiado pelo Senhor da Obra.
Que os padrões bíblicos continuem sendo os parâmetros para a excelência na formação e na vida do obreiro.
Parabéns Instituto Teológico Quadrangular.
Parabéns diretores e mestres que ministram nessa causa.
Parabéns aos obreiros Quadrangulares.
Celson Coêlho
Editor do Blog
Mais textos sobre o ITQ e a Educação Quadrangular:
____________________
[1] O contexto dessa passagem não faz referência ao sacerdócio do Antigo Testamento, contudo é possível essa conjectura sabendo que a base da formação de Paulo foi o Antigo Testamento e aquele sacerdócio era uma imagem significativa para os judeus.
[2] WALLIS, Wilbur B. 2ª Timóteo in Comentário Bíblico Moody. Editora Batista Regular p. 270.
[3] CALVINO, João. 2ª Timóteo in Pastorais. Edições Paracletos. Pg. 235.

(reprodução autorizada desde que mantida a integridade do texto, mencionado o autor: Celson Coêlho e o blog: http://www.celsoncoelho.blogspot.com)