quinta-feira, 9 de outubro de 2014

POR QUE PARAR?



 *Por Celson Coêlho

Até aceito que a vida possa ser comparada a uma viagem.
Mas também entendo que, como toda viagem, precisamos de algumas paradas.

A parada serve para descansar. Ninguém merece desistir por falta de forças.
A parada revigora. Renova as forças para prosseguir.

A parada possibilita analisar para onde estamos indo.
Será que o caminho é esse mesmo? Tenho necessidade de reorientação?
É isso que eu preciso? É isso que eu quero? É isso que eu posso fazer? (são 3 filtros úteis)

A parada nos permite olhar para trás. Sem aquele sentimento de prisão ao passado.
É o olhar de reflexão (re= retorno, para trás; flexão=dobra).
É voltar o pensamento para entender quem eu sou a partir da minha estrada de vida.

A parada nos permite desfrutar de paisagens que muitas vezes não é viável durante a viagem.
A correria nos embota a visão. Existem paisagens que nos inspiram. Porém, ficam despercebidas na viagem...

A parada nos faz abrir os ouvidos. Passamos a ouvir sons que não ouvíamos durante a viagem.
Só por que ouvimos o mesmo som, não quer dizer que ele é o único a nos ensinar.

A parada. Ahhhh  a parada...
Alguns têm medo de parar. Puro exibicionismo.
Precisam mostrar que não param. Pouco importa se estão viajando no caminho errado...
Não tenha medo de parar!

Alguns têm vergonha de parar.
Vergonhoso é percorrer um longo caminho e perceber que chegou ao lugar errado. Na verdade isso é frustrante...

Não tenha vergonha de parar!

A parada não demonstra falta de perseverança.
Antes, revela sabedoria.
Neste caso a sabedoria é mais importante que a perseverança...
(Eu, já parei algumas vezes)

Celson Coêlho
Editor do blog


sábado, 22 de março de 2014

VENCIDO PELAS CIRCUNSTÂNCIAS


A vida é uma luta diária.
Tarefas e problemas se impõem continuamente. Tentam nos abater e levar-nos por caminhos maus. Somos tentados a seguir o caminho de Saul.
Este, não devendo realizar sacrifícios, pois não era sacerdote, declarou: “forçado pelas circunstâncias, ofereci holocaustos” (1Samuel 13.12).
Ele desobedeceu a Deus e disse que foi vencido pelas circunstâncias.
NÃO permita essa derrota em sua vida.
Mantenha disciplina em sua vida cristã. Ore. Leia a Bíblia. Pratique o jejum. Vá aos cultos.
Estas tarefas fortalecerão sua intimidade com Deus e possibilitará firmeza na caminhada.
Que Deus nos abençoe.

Celson Coêlho
Editor do Blog
.

sábado, 8 de março de 2014

OS ÓCULOS PARA LIDERANÇA


* Por Celson Coêlho
Por esses dias ocorreu um pequeno acidente com meus óculos escuros. Ao manusear uma cola adesiva que estava dura, por tanto apertá-la, um pouco da cola espirrou numa das lentes. A mancha dificultou o uso dos óculos. A lente danificada distorcia as imagens. As paisagens não eram mais as mesmas.
Os conceitos que temos sobre determinado assunto são verdadeiros óculos. Vemos a partir dos pressupostos que temos. Se os conceitos são equivocados, o entendimento sobre aquele assunto ficará deturpado. Consequentimente, nossas atitudes também serão prejudicadas.
Na Bíblia encontramos várias diretrizes de como exercer a liderança cristã. Porém, acredito que o princípio bíblico básico para entender liderança cristã vem dessa declaração de Jesus:        
“Então, Jesus, chamando-os, disse: Sabeis que os governadores dos povos os dominam e que os maiorais exercem autoridade sobre eles. Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós será vosso servo; tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos”(Mt 20.25-28)
Os óculos bíblicos para entender o exercício da liderança cristã estão nesse texto. Todo nosso pressuposto sobre liderança deve começar por essa verdade ensinada pelo Mestre.
Destacamos três verdades nesse texto:
1) Os que lideram pelo “domínio” são os governadores dos povos. Ou seja, aqueles que não têm os preceitos divinos como orientadores para sua liderança (v. 25);
2) “Não é assim entre vós”. Aqueles que seguem as orientações de Jesus não podem fazer dessa forma (v. 26); e
3) Então como devemos fazer? Nosso exercício de liderança deve ser igual ao de Jesus: “tal como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate de muitos” (v. 28).
Algumas vezes nossos óculos podem estar sujos. Cabe a nós submetermos a autoridade das Escrituras para que nossas lentes sejam limpas. Lentes limpas geram entendimento limpo. Este conduz a liderança cristã saudável.
* Celson Coêlho
Editor do Blog

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

A BONDADE DE DEUS



Você viu a bondade de Deus hoje? Você foi a bondade de Deus na vida de alguém hoje?
Falamos e ensinamos sobre a bondade de Deus para com mundo. Contudo, esquecemos que nós somos, em parte, expressão do amor divino para as pessoas.

Davi, no auge do seu reinado, lembrou que poderia ser instrumento da bondade de Deus na vida de alguém. Perguntou ele: “Não há ainda alguém da casa de Saul para que eu use da bondade de Deus para com ele?” (2Samuel 9.3) A resposta foi positiva. Existia sim quem ele pudesse abençoar. Existia alguém para ele revelar a bondade de Deus com ações práticas.

Você já imaginou que pode ser bondade de Deus revelada na vida de alguém? As pessoas podem ver Deus no seu agir amoroso.
Volto a pergunta inicial: Você viu a bondade de Deus hoje?
Olhe-se no espelho!
Você é reflexo do amor de Deus.

Celson Coêlho
Editor do Blog.

sábado, 25 de janeiro de 2014

QUEM VAI A SUA FRENTE?


*Por Celson Coêlho

A luta entre Davi e Golias é uma das mais conhecidas da Bíblia. Também muito conhecida fora dela. Em relação ao gigante filisteu, Golias, diz a história bíblica que a sua frente seguia seu escudeiro. Este auxiliar tinha a função de proteger o guerreiro na batalha. Quando necessário ele empunha o escudo como uma muralha. Na batalha, a confiança de Golias estava no seu escudeiro: “...e o seu escudeiro ia adiante dele” (1Samuel 17.41).

Quanto ao pequeno Davi, aquele que havia desistido da armadura usada pelos guerreiros da época, fica claro que sua confiança estava no Senhor dos Exércitos. Ele não optou por armas e táticas de guerra. Não se apoiou no grande rei Saul. Simplesmente escolheu confiar em Deus para guiar suas ações: “Tu vens contra mim com espada, e com lança, e com escudo; eu, porém, vou contra ti em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado” (1Samuel 17.45).

Deus é fiel e continuará velando por todos que nEle confiam. O Senhor dos Exércitos vai a nossa frente para nos guardar.
Tenham uma ótima semana!

Celson Coêlho
Editor do Blog

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

O DESEJO CORRETO



*Celson Coelho

Esta semana iniciou o programa mais “emburrecedor” da TV brasileira. O BBB. Em resumo, ele alimenta o desejo desenfreado do homem por riquezas, bens e honras, como também a eliminação daqueles que são concorrentes. Não importando o meio usado para alcançar essas coisas.

A procura dessas benesses vem de longa data. Salomão seguiu caminho contrário a esses desejos. Foi honrado por Deus por não desejar esses valores. “Disse Deus ...a Salomão: Porquanto foi este o desejo do teu coração, e não pediste riquezas, bens e honras, nem a morte dos que te aborrecem, nem tão pouco pediste longevidade, mas sabedoria e conhecimento pediste...” (2Crônicas 1.11)

Conhecimento e sabedoria poucos têm desejado. Eles exigem tempo e dedicação. Geram responsabilidade em quem os adquirem. Mas, acima de tudo, trazem o bem para as pessoas.

Celson Coêlho
Editor do Blog

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

COMPRE DE VOLTA SEU TEMPO


*Por Celson Coêlho

O tempo está a nossa disposição. Como fazemos uso dele? Esse é o problema...
Todos dispõem de uma mesma quantidade de horas diariamente. O dia tem 24 horas para todos. A diferença está em como cada um aproveita seu tempo.
Paulo nos orientou em relação ao cuidado com nosso tempo como cristãos. Por duas vezes afirmou: “remindo o tempo, pois os dias são maus” (Efésios 5.16 e Colossenses 4.5). Nessas passagens o termo grego para remir é “exagorazo”. Sua ideia é comprar, ou comprar de volta. Sendo assim o apóstolo nos ensina a seguinte verdade: “comprem de volta o tempo de vocês”.
Perdemos nosso tempo quando andávamos nas trevas. Mas agora somos filhos da luz (Efésios 5.8). Andando nas trevas fazemos coisas que são perca de tempo (Efésio 5.3-5).
Como podemos resgatar ou comprar de volta nosso tempo?
1)      Não sendo cúmplice com as obras infrutíferas das trevas (Efésios 5.11);
2)      Compreendendo a vontade de Deus (Efésios 5.17);
3)      Sendo dominado (guiado) pelo Espírito (“Enchei-vos” – Efésios 5.18).
Não deixe que seu tempo se torne infrutífero.
Acorde! Levante-se dentre os mortos! Compre seu tempo de volta!
Cristo te fará uma lâmpada nas trevas. A luz dEle brilhará em sua vida (Efésios 5.14).

Celson Coêlho
Editor do Blog

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

PRUDÊNCIA NO AGIR: Espiritualidade não é irresponsabilidade


 *Por Celson Coêlho
Quer saber como agir no centro da vontade divina e ser bem sucedido na vida? O livro bíblico de Neemias tem riquíssimo conteúdo sobre o assunto. Neemias é exemplar em várias áreas da vida. Suas ações e reações são impactantes para o homem atual.
Neemias é um grande exemplo de fé e prudência. Oração e ação. Ele tem uma grande obra por fazer: restaurar a nação de Israel. Ele recorre ao ato essencial nessas circunstâncias. Ora ao Senhor de nossas vidas. O primeiro passo de Neemias foi orar. O fez por 4 meses, perseverantemente (Neemias 1.6).  Pediu a Deus a oportunidade certa diante do rei (1.11).
Assim o Senhor fez, abriu as portas para Neemias (2.1). Ele continuou acreditando na oração, diante da oportunidade clamou ao Senhor para mover o coração do rei (2.4). Que homem de oração!!! Em seu livro encontramos umas 10 orações em momentos diferentes de sua jornada. Realmente oração era sua prioridade...
Sabiamente priorizou a oração. Contudo, outra atitude nos chama a atenção em Neemias. Sua prudência no agir. Veja bem, Neemias ora para Deus dar oportunidade diante rei. Deus concede. Ele ora para mover o coração do rei e autorizar sua viagem. Amém! Tem a aprovação. Ele poderia dizer: “Já orei. Deus está abrindo as portas. Tenho a aprovação do rei. Ótimo. Posso ir de qualquer jeito que vai dar tudo certo.” Às vezes agimos assim, de forma precipitada. Não foi assim com Neemias. Ele não foi irresponsável. Sabia da complexidade de sua tarefa e da importância para sua vida, família e muitas outras pessoas. Não foi imprudente.
Ainda diante do rei Neemias tem cautela. Faz outras solicitações. Preciso de autorizações para passar nas cidades durante a viagem (2.7). Também preciso de suprimento para reiniciar a construção (2.8). Ele também aceita a proteção do exercito real (2.9). Ele seria o novo governador na cidade que estava envolta em vários conflitos. Em Jerusalém ainda existiam vários grupos dissidentes que eram contrários a reconstrução. Precisava de proteção.
Chegando a cidade, mais uma vez agiu com prudência. Andou pela cidade, analisou, planejou as ações. Não falou quando não deveria falar. Viu as pessoas que PODERIAM ajudar e quem não DEVERIA chegar perto, o que às vezes é mais importante (2.11-20). Neemias não confundiu espiritualidade com irresponsabilidade.
Neemias nos revela um grande ensinamento de como viver: orando e agindo com prudência. O novo ano nos apresentará variadas situações. Muitos desafios. Problemas difíceis. As decisões são inevitáveis. Porém, agir com prudência é necessário e possível. Ore! Confie em Deus através da oração e tenha prudência no agir.
“Oração sem ação é fanatismo. Ação sem oração é presunção.” (Herdandes Dias Lopes)

Celson Coêlho
Editor do Blog