sábado, 31 de outubro de 2015

O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ



A declaração no título dessa postagem faz parte do livro de Romanos (1.17). Inquieto com sua fé e questionando os dogmas da igreja predominante em sua época, um bispo, ao ler esse texto, foi despertado e impulsionado por Deus para ser o precursor na maior mudança da história da igreja cristã.

O nome do bispo é Martinho Lutero. O evento ao qual ele foi um dos personagens foi a Reforma Protestante. Seu início ocorreu em 31 de outubro de 1517 quando Lutero fixou as suas 95 teses que propunha para discutir sobre as práticas e rumos da igreja Católica.

Sendo assim, hoje é comemorado o dia da Reforma Protestante.

Por muito tempo aqueles que atualmente chamamos de evangélicos eram identificados como cristãos protestantes (ou simplesmente protestantes). Boa parte das igrejas evangélicas é descende da Reforma Cristã. Mesmo que não entenda ou até não aceite.

Existem algumas características que possibilitam identificar as raízes protestantes das igrejas evangélicas atuais. Essas características são reações contrárias a teologia adota pela igreja Católica.

As características que demonstram a origem protestante de uma igreja são 5 doutrinas basilares da Reforma, que também são conhecidas com os “Cinco Solas” (Sola, termo latim que significa somente). Vejamos resumidamente essas características:

1) Sola Scriptura (Somente a Escritura): Somente a Bíblia é a Palavra de Deus. Alguns evangélicos ao ler isso podem dizer que é lógico que sim e concordar com essa verdade. Contudo, a igreja Católica afirma que a tradição católica e as decisões papais têm a mesma autoridade da Bíblia. Além disso, a Bíblia tem um intérprete autorizado: o clero católico.
A Reforma Protestante propôs restabelecer a autoridade total da Escrituras conforme está registrado em suas próprias páginas. Ainda lembrou que a Bíblia é clara e acessível a qualquer pessoa.

2) Sola Fide (Somente a Fé): Não tem nada que possamos fazer para ser aceito por Deus. Isso apenas é possível pela fé em Cristo. A fé no que Jesus fez e não fé no que podemos fazer. Relembrar essa doutrina é um contra ponto à idéia de que a salvação é uma soma de fé e obra. Obra não é pré-requisito para salvação. Ela é fruto de quem é salvo por fé em Cristo. A fé que produz obra.

3) Sola Gratia (Somente a Graça): Graça, basicamente, é um favor imerecido. Somos pecadores e por natureza contrários a vontade de Deus. Apenas sua graça nos faz aceito e aprovado. Quando Deus nos olha, não vê nossos méritos. Ele nos olha e vê os méritos de Cristo em nós. Em Cristo satisfazemos as exigências da lei. Pela graça imerecida somos libertos do domínio do pecado.
Nenhuma liturgia, símbolo ou prática substitui a graça divina. Não somos alvos do amor de Deus por causa de nosso desempenho religioso, somente pela graça.

4) Solus Christus (Somente a Cristo): Jesus é o único mediador entre Deus e o homem. Com Ele cumprimos todos os requisitos para se tornar aceito por Deus. Sua obra é perfeita e suficiente para “salvar totalmente os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (Hebreus 7.25). Por isso Jesus é o único e suficiente salvador.

5) Soli Deo Glória (Somente a Deus a Glória): O objetivo único de nossas ações deve ser a glória de Deus. Ninguém é digno dessa glória. A qualidade de ninguém, nem de nenhuma instituição pode ser alvo da glória que pertence apenas a Deus.

A Reforma Protestante foi um evento histórico desenvolvido por Aquele que é o Senhor da história. Porém, os princípios destacados na Reforma foram na verdade um reavivamento das doutrinas bíblicas vivenciadas pelos apóstolos e esquecidas na história da igreja. Que esses ensinamentos bíblicos sejam relembrados por nós no desenvolvimento da nossa fé cristã.

Soli Deo Glória


Celson Coêlho

terça-feira, 27 de outubro de 2015

A PRUDÊNCIA DESVIA A IRA



“Bendita seja a tua prudência” (1º Samuel 25.32)

No texto anterior fizemos observações sobre Nabal e seu modo vida conforme relatado no capítulo 25 de 1º Samuel (1Sm). Não tem como ler a história de Nabal e não observar a atitude de sua esposa, Abigail. Ela é nosso alvo...

Nabal era chamado de filho de Belial. Isso devido a sua dureza e malignidade. Destacou-se negativamente na sociedade que vivia. Porém, as qualidades de sua esposa anularam as consequências dos seus atos insensatos.

Davi, após uma resposta insensata de Nabal, juntou sua tropa e caminhavam armados até os dentes para eliminar Nabal e sua casa. A sentença estava decretada (1Sm 25.13). A ira de Davi se acendera.

Deslocando-se em direção ao seu alvo, Davi é interrompido por uma mulher, Abigail. Assim que o autor de 1º Samuel fala de Abigail no versículo 3, sua descrição é posta em oposição ao do seu marido: “Ela era sensata e formosa, PORÉM ele era duro e maligno”. Sua sensatez a fez ir até Davi.

Quando Davi é interrompido por Abigail ele reconhece: “Bendita seja tua prudência, e bendita sejas tu mesma, que hoje me tolheste de derramar sangue e de que por minha própria mãe me vingasse” (1Sm 25.33).

O livro de provérbios nos lembra que “o prudente encobre a afronta” (Pv 12.16). A prudência tem a qualidade de desviar a ira. Tanto da própria pessoa prudente quanto a de outros, como no caso de Abigail.

Prudência é a virtude de prever e evitar inconveniências ou perigos. Atitude muito necessária em todas as áreas da vida.

Vejamos algumas características da prudência em Abigail:

1) Não se deixou influenciar por quem autoridade sobre sua vida: O marido de Abigail tinha autoridade sobre ela. Contudo, ela na se deixou influenciar pela maldade dele. Respeitar a autoridade de alguém não significa seguir os passos errados dessa pessoa. (1Sm 25.3);

2) Não perde tempo: ser prudente não significa ser passivo e esperar que as coisas aconteçam. (1Sm 25.18 “a toda pressa”; 1Sm 25.23 “apressou-se”);

3) Procede com sabedoria: Abigail não foi a Davi de qualquer jeito. Estabeleceu uma estratégia: levou presentes (v 18); foi com os servos de sua casa (v 19); não falou para Nabal (v 19); chega-se a Davi com humildade (v 24). O livro de Provérbios nos lembra que “a sabedoria habita com a prudência” (Pv 8.12);

4) Evita a violência: A ação de Abigail impediu de Davi derramar sangue. (v 33);

5) Coopera para o estabelecimento da paz: Sendo uma conseqüência da não violência, a prudência ajuda a estabelecer a paz: “Sobe em paz a tua casa.” (v 35); e

6) A prudência é o agir de Deus em meio a tantos atritos da vida: Davi reconhece que a atitude prudente de Abigail foi uma intervenção divina: “Bendito o Senhor... que te enviou ao meu encontro.” (v 32);

A vida já tem seus próprios percalços. Problemas surgirão sem precisarmos procurar. Então, não sejamos causadores de novos problemas com um agir insensato e até maligno a semelhança de Nabal.

Procuremos a prudência de Abigail, sabendo que a vingança não nos pertence (1Sm 25.33 e 38).


“Não torneis a ninguém mal por mal; esforçai-vos em fazer o bem perante todos homens; se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens[...] Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.” (Romanos 12.17,18 e 21)

Celson Coêlho
Editor do Blog

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

NABAL, O HOMEM QUE IMPRESSIONOU O CORAÇÃO DE DAVI


“Não se importe o meu senhor com este homem de Belial, a saber, com Nabal;
 porque o que significa seu nome ele é. Nabal é seu nome, e a loucura está com ele.” (1Sm 25.25)

Seu nome tem um significado. Você sabia disso? Todo nome próprio tem seu significado. O povo de Israel levava isso em conta. Os nomes eram escolhidos conforme as características físicas da criança ou, principalmente, pelas circunstâncias marcantes envoltas no seu nascimento ou durante sua concepção.

Em nossos dias percebemos que alguns se preocupam com o significado do nome que darão ao filho. Escolhem nomes que significam “sabedoria”, “paz”, “alegria”, entre outros. Isso demonstra, em parte, o que os pais desejam para os filhos.

Uma verdade precisa ser dita: o nome não determinará o que a pessoa será ou como ela  viverá. Isso é fato. Não existe poder mágico no significado do nome.

No capítulo 25 de 1º Samuel vemos a história de Nabal. Ele se demonstrou insensato e tolo ao reagir ao pedido de Davi. Seu nome realmente significa isso. Porém, mais que o significado do seu nome, seu modo de vida revelava insensatez e tolice.

Os servos de Nabal, homens que viviam sob suas orientações, sabiam como eram suas escolhas. Assim um deles o caracterizou: “... ele é filho de Belial, e não há quem lhe possa falar.” (1Sm 25.17) “Filho de Belial” na Bíblia significa uma pessoa maligna. Um descente do mal. O filho carrega as características do pai.

O próprio escritor bíblico ao apresentar Nabal no início do capítulo o caracteriza como “...homem duro e maligno em todo trato” (1Sm 25.3). Quando pensou em escrever sobre Nabal o autor do livro de Samuel procurou naquele homem algo que lhe chamasse a atenção. O que encontrou foi dureza e malignidade.

Para completar o conjunto de suas características, a pessoa mais íntima de Nabal, sua esposa, também opinou sobre ele: “... o que significa seu nome ele é. Nabal é seu nome, e a loucura está com ele...” (1Sm 25.25). Ela ainda o chamou de “homem de Belial”. Interessante que ao falar com Davi ela expressa “não faça esse homem [Nabal]... impressão no seu coração [de Davi]” (Assim pode ser traduzido o início do versículo 25). Ou seja, o modo como Nabal vivia causava impressão no coração das pessoas; marcava as pessoas.

Acredito que dificilmente os pais colocariam no filho o nome que significasse louco ou insensato. Dificilmente pais desejariam que esse fosse o caminho seguido por seu filho. Tudo indica que o modo de vida de Nabal caracterizou quem ele era.

O nome que recebemos não determina como viveremos. O local em que crescemos não determina como seremos. As tradições que recebemos não determinam nossos escolhas. Esses fatores podem influenciar, mas não são determinantes.

Seu nome não vai determinar como você vive. Porém, seu modo de vida vai determinar como as pessoas lhe vêem.

Podemos até ter um nome que não tenha um bom significado. Podemos até nascer em condições ou ambiente desfavoráveis. Podemos até receber influências desastrosas. Contudo, nossa atitude diante da vida determinará os resultados que vamos colher.

Como vivemos marcará como as pessoas se lembrarão de nós.

Qual a impressão que você tem deixado no coração das pessoas?


Celson Coêlho