sábado, 31 de outubro de 2015

O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ



A declaração no título dessa postagem faz parte do livro de Romanos (1.17). Inquieto com sua fé e questionando os dogmas da igreja predominante em sua época, um bispo, ao ler esse texto, foi despertado e impulsionado por Deus para ser o precursor na maior mudança da história da igreja cristã.

O nome do bispo é Martinho Lutero. O evento ao qual ele foi um dos personagens foi a Reforma Protestante. Seu início ocorreu em 31 de outubro de 1517 quando Lutero fixou as suas 95 teses que propunha para discutir sobre as práticas e rumos da igreja Católica.

Sendo assim, hoje é comemorado o dia da Reforma Protestante.

Por muito tempo aqueles que atualmente chamamos de evangélicos eram identificados como cristãos protestantes (ou simplesmente protestantes). Boa parte das igrejas evangélicas é descende da Reforma Cristã. Mesmo que não entenda ou até não aceite.

Existem algumas características que possibilitam identificar as raízes protestantes das igrejas evangélicas atuais. Essas características são reações contrárias a teologia adota pela igreja Católica.

As características que demonstram a origem protestante de uma igreja são 5 doutrinas basilares da Reforma, que também são conhecidas com os “Cinco Solas” (Sola, termo latim que significa somente). Vejamos resumidamente essas características:

1) Sola Scriptura (Somente a Escritura): Somente a Bíblia é a Palavra de Deus. Alguns evangélicos ao ler isso podem dizer que é lógico que sim e concordar com essa verdade. Contudo, a igreja Católica afirma que a tradição católica e as decisões papais têm a mesma autoridade da Bíblia. Além disso, a Bíblia tem um intérprete autorizado: o clero católico.
A Reforma Protestante propôs restabelecer a autoridade total da Escrituras conforme está registrado em suas próprias páginas. Ainda lembrou que a Bíblia é clara e acessível a qualquer pessoa.

2) Sola Fide (Somente a Fé): Não tem nada que possamos fazer para ser aceito por Deus. Isso apenas é possível pela fé em Cristo. A fé no que Jesus fez e não fé no que podemos fazer. Relembrar essa doutrina é um contra ponto à idéia de que a salvação é uma soma de fé e obra. Obra não é pré-requisito para salvação. Ela é fruto de quem é salvo por fé em Cristo. A fé que produz obra.

3) Sola Gratia (Somente a Graça): Graça, basicamente, é um favor imerecido. Somos pecadores e por natureza contrários a vontade de Deus. Apenas sua graça nos faz aceito e aprovado. Quando Deus nos olha, não vê nossos méritos. Ele nos olha e vê os méritos de Cristo em nós. Em Cristo satisfazemos as exigências da lei. Pela graça imerecida somos libertos do domínio do pecado.
Nenhuma liturgia, símbolo ou prática substitui a graça divina. Não somos alvos do amor de Deus por causa de nosso desempenho religioso, somente pela graça.

4) Solus Christus (Somente a Cristo): Jesus é o único mediador entre Deus e o homem. Com Ele cumprimos todos os requisitos para se tornar aceito por Deus. Sua obra é perfeita e suficiente para “salvar totalmente os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (Hebreus 7.25). Por isso Jesus é o único e suficiente salvador.

5) Soli Deo Glória (Somente a Deus a Glória): O objetivo único de nossas ações deve ser a glória de Deus. Ninguém é digno dessa glória. A qualidade de ninguém, nem de nenhuma instituição pode ser alvo da glória que pertence apenas a Deus.

A Reforma Protestante foi um evento histórico desenvolvido por Aquele que é o Senhor da história. Porém, os princípios destacados na Reforma foram na verdade um reavivamento das doutrinas bíblicas vivenciadas pelos apóstolos e esquecidas na história da igreja. Que esses ensinamentos bíblicos sejam relembrados por nós no desenvolvimento da nossa fé cristã.

Soli Deo Glória


Celson Coêlho

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante.
Porém, comentários ANÔNIMOS não serão publicados.
Celson Coêlho