sábado, 28 de maio de 2016

CAMA CURTA E COBERTOR ESTREITO: QUE INCÔMODO!

Por Celson Coêlho                                                  

“Porque a cama será tão curta, que ninguém se poderá estender nela; o e o cobertor, tão estreito, que ninguém poderá se cobrir com ele.” (Isaías 28.20)


Normalmente faço algumas viagens a trabalho. Para isso preciso dormir em outro lugar que não a minha casa como de costume. Um dos maiores incômodos dessa situação é ao deitar-se para dormir perceber que a cama ou o lençol são inadequados. Como sou um pouco alto, isso ocorre com frequência.

Dormir não é um luxo. É um momento da vida extremamente necessário. Momento de paz e tranquilidade. Descansamos a mente e o corpo. Renovamos as forças. Deveria ser um momento sagrado. Nem sempre é assim. Quando paramos para descansar num lugar inadequado, o que deveria ser paz vira transtorno. O que deveria ser descanso vira incômodo.

Dormir normalmente é sinônimo conforto e segurança. Conforto porque é gerado um bem estar pela tranquilidade do descanso. Segurança porque pode se desligar de todas as preocupações e dos perigos que elas trazem.

Tem momentos que pensamos estar em conforto e segurança e na verdade não é. O texto de Isaías 28.20, exposto acima, nos alerta quanto a esses momentos da vida.

Imagine-se num noite fria com um cobertor inadequado. Quando puxa para cobrir em cima, descobre o pé. Quando estica de um lado, descobre o outro. E a cama curta? Gente! Que coisa horrível ficar com os pés pendurados...

O profeta alerta o povo de Israel quanto ao perigo de não buscar em Deus seu real conforto e segurança. Eles colocaram sua esperança de tranquilidade na aliança com o Egito e não em Deus.

O que está sendo falado é muito sério. Por isso por quatro vezes ele pede para ser ouvido no versículo 23: “Inclinai os ouvidos e ouvi a minha voz; atendei bem e ouvi o meu discurso” (Is. 28.23). Ele é enfático porque a mensagem é urgente.

Israel estava sendo abatido pela Assíria. Isso tinha permissão divina para ensinar ao seu povo como realmente depender dele. Ao contrário, buscou dependência do Egito e acreditou que estava tudo tranquilo. O profeta intervém para que o povo entenda qual é a vontade de Deus.

Seu alerta vem reforçado por duas ilustrações para entenderem qual a vontade de Deus quanto a isso:

1ª) A Preparação para Plantar: “Um homem que está preparando o terreno para semear trigo não gasta todo seu tempo arando a terra, cavando e mexendo nela. Depois de ter aplanado a terra, ele semeia o endro e o cominho, e planta o trigo, a cevada e outros cereais nos lugares certos. Ele faz tudo direito porque Deus o ensinou” (Is. 28.24-26; BLH*). Existe uma ordem certa para plantar e fazer uma boa colheita. Arar a terra, mexer e cavar. Mas não para aqui. Depois tem que semear nos lugares certos. Não adianta plantar sem arar a terra. Também não adianta apenas arar a terra e não plantar. Essa ordem foi estabelecida por Deus e ensinada aos homens. Não adianta ir contra essa ordem. Será ilusão. Não trará o resultado desejado. Não trará o conforto e a segurança almejados. O povo de Israel estava falhando em não receber e obedecer à ordem de Deus. Nós também falhamos quando seguimos por esse caminho...

2ª) Existem formas diferentes para moer os grãos: “E no tempo da colheita ele não usa um instrumento pesado para debulhar os grãos de endro e de cominho; ao contrário, ele usa varas pequenas e leves. Quando malha o trigo, ele não continua malhando até quebrar os grãos. Ele sabe passar a carreta por cima das espigas sem esmagar os grãos” (Is 28.27, 28; BLH*). Cada grão tem sua forma diferente e correta de moer para melhor proveito. Não adianta usar um instrumento pesado em um grão que precisa de vara para ser moído. O inverso também não traz resultado adequado. Um instrumento pesado quebrará um grão sensível. Um instrumento leve não transforma um grão robusto em alimento. Cada momento da vida trás sua particularidade e pode ser instrumento de Deus para tratar o seu povo.

O tempo certo e as situações certas são feitas por Deus. O conforto e a segurança real são proporcionados por aquele que tem em suas mãos o controle do tempo e das situações, o Senhor da História.

As pessoas e as coisas desse mundo podem nos trazer tranquilidade. Mas será limitada e passageira. Talvez até gere frustração ou feridas. O mesmo desconforto do cobertor e da cama inadequados. Precisamos entender, reconhecer e obedecer a ordem Deus. Mesmo nos momentos mais difíceis devemos ter a certeza de Isaías: “Também isso procede do Senhor dos Exércitos; ele é maravilhoso em conselho e grande em sabedoria” (Is 28.29).
Deus é nosso conforto e segurança em todos os momentos!

Celson Coêlho

*BLH: Bíblia na Linguagem de Hoje.